Primeira mulher a pilotar um caça da FAB

Em 3 de maio de 2011, a tenente-aviadora Carla Alexandre Borges fez história na Força Aérea Brasileira, ao comandar uma aeronave de combate de primeira linha

04/03/2013
7229 Acessos
Imprimir
Primeira mulher a pilotar um caça da FAB
Carla Alexandre Borges fez história na Força Aérea Brasileira - Imagem: T. Marcelo/AE
A tenente-aviadora Carla Alexandra Borges, que entra para o RankBrasil em 2013, foi a Primeira mulher a pilotar um caça da Força Aérea Brasileira (FAB).

No dia 3 de maio de 2011, partindo da Base Área de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, ela fez história ao realizar seu primeiro voo solo em aeronave A-1 (AMX) – de caça de alta performance, a chamada aeronave de combate de primeira linha.

O desafio fez parte do curso de formação operacional, acumulando na sequência aproximadamente 100 horas de voo neste avião. Após cumprir a carga horária necessária, em junho do mesmo ano, a militar foi declarada pela FAB apta para operar a aeronave de caça a jato.

Com esta qualificação, Carla se tornou capaz de cumprir qualquer missão desempenhada, inclusive liderar esquadrilhas de até quatro aeronaves. Em seu último voo de formação, ela liderou dois caças AMX para uma missão de reabastecimento durante a noite.

Natural de Jundiaí – SP e na época do recorde com 28 anos de idade, a tenente-aviadora pertence ao quadro oficial do Primeiro Esquadrão do Décimo Sexto Grupo de Aviação – o Esquadrão Adelphi. Para continuar no comando de um A-1, a militar participa de treinamentos intensos e constantes, com o objetivo de aperfeiçoar manobras, reflexos e rotas.

Inspiração
Em entrevista ao G1 Brasil, Carla revelou que o desejo de ser piloto sempre fez parte de sua vida. De acordo com a tenete-aviadora, a inspiração para pilotar um caça veio no ano de 1986, quando ela assistiu ao filme ‘Top Gun’. A produção cinematográfica marcou a infância da recordista e influenciou sua paixão pela aviação.

Aeronaves A-1
As aeronaves A-1 são especializadas em ataques a alvos em solo, com velocidades de até 900 km/h e capacidade de carregar mísseis e munição. Para pilotar este avião é preciso planejamento detalhado antes de cada voo, pois a velocidade exige decisões rápidas de seus comandantes. O piloto chega a enfrentar uma força provocada pela aceleração da aeronave de até seis vezes o peso do próprio corpo.


Fontes: Força Aérea Brasileira, G1 Brasil e Estadão
Redação: Fátima Pires