Primeira mulher caricaturista do Brasil

Recordista iniciou sua arte em 1907, com retrato caricatural de indivíduos da alta sociedade e de pessoas elegantes da época

04/02/2013
7497 Acessos
Imprimir
Primeira mulher caricaturista do Brasil
Nair de Teffé iniciou sua arte fazendo retrato caricatural de figuras da alta sociedade - Imagem: Caricatura Soliária
Nair de Teffé von Hoonholtz, mais conhecida apenas como Nair de Teffé, entra para o RankBrasil por ter sido a Primeira mulher caricaturista do país, também considerada a primeira do mundo, por artistas e intelectuais.

Com pseudônimo de Rian (Nair de trás para frente), ela iniciou sua arte na revista Fon-Fon em 1907, fazendo retrato caricatural de indivíduos, de figuras da alta sociedade e de pessoa elegantes da época.

Utilizando seus desenhos para satirizar, a recordista teve caricaturas publicadas em revistas de Paris - França, e despertou interesse com a Galeria das Elegâncias no Fon-Fon e a Galeria dos ‘smarts’, na Gazeta de Notícias (1910).

Ela também expôs sua arte no salão do Jornal do Comércio, teve diversas caricaturas incluídas no livro ‘The Beautiful Rio de Janeiro’, que foi editado em Londres, e ilustrou a obra ‘Petrópolis, a encantadora’, de Oto dos Prazeres.

Nair de Teffé nasceu em Petrópolis – RJ, em 1886. Em parte, seu sucesso como artista esteve relacionado à posição social que desfrutou: era filha do barão de Teffé (grande nome do Império e herói da Guerra do Paraguai) e mais tarde se tornou esposa do então presidente da República, marechal Hermes da Fonseca, ocupando o cargo de primeira-dama do Brasil entre 1913 e 1914.

Com a morte do marido, em 1922, a artista ficou deprimida e só retomou suas caricaturas muitos anos depois. Na mesma época, adotou três crianças e aos 88 anos de idade, escreveu seu livro de memória. Além de caricaturista, ela foi pintora, cantora, atriz e pianista.

Literatura e cinema
A recordista exerceu o cargo de presidente da extinta Academia de Ciências e Letras de Petrópolis, da Academia Petropolitana de Letras e da Academia Fluminense de Letras. Nair de Teffé ainda fundou o famoso Cinema Rian (já demolido), na Avenida Atlântica, em Copacabana. A artista faleceu no Rio de Janeiro, em 1981, aos 95 anos.


Fontes: Museu Histórico Nacional, Revista Isto É Gente, Wikipédia e Academia Petropolitana de Letras
Redação: Fátima Pires