Maior número de coletes tirados fazendo embaixadinha

José Luiz da Silva Berto quebra o próprio recorde brasileiro. Ele tirou 32 coletes em três minutos e 27 segundos

26/06/2019
8441 Acessos
Imprimir
Maior número de coletes tirados fazendo embaixadinha
Professor Caniddia quebra o próprio recorde ao tirar 32 coletes em três minutos e 27 segundos / Foto: Arquivo recordista
O professor de Educação Física da cidade de São João da Barra (RJ), José Luiz da Silva Berto, mais conhecido como professor Caniddia, quebra o próprio recorde junto ao RankBrasil em 2019, de Maior número de coletes tirados fazendo embaixadinhas. Em três minutos e 27 segundos, ele tirou 32 coletes sem deixar a bola cair no chão.

O desafio aconteceu no dia 15 de maio, no Estádio do Maracanã (RJ). “Foi uma oportunidade única estar no maior palco do mundo futebolístico”, destaca. O professor Caniddia obteve o título pela primeira vez em 24 de abril deste ano, quando tirou 30 coletes em três minutos e 57 segundos.

Conforme o carioca, a quebra do recorde exigiu força, coordenação, ritmo e técnica. “É preciso ter muita tranquilidade para fazer as embaixadinhas e ao mesmo tempo tirar os coletes”, diz.

Natural do Rio de Janeiro (RJ), o recordista tem atualmente 43 anos de idade, mas faz embaixadinhas desde que tinha 10 anos. Segundo ele, a superação do recorde junto ao RankBrasil é muito importante e inesquecível, uma vez que aconteceu no Maracanã.

O professor Caniddia é torcedor do Flamengo e do Coritiba, por causa do Everton Costa. “Ele me enviou uma camiseta autografada quando atuou pelo Vasco da Gama. Infelizmente parou de jogar cedo, por causa de problemas de saúde. Era um excelente jogador e uma pessoa muito humilde”, conta.

Apaixonado por futebol, o carioca diz que recentemente fez uma exibição com o ex-jogador Zico, onde seu projeto Boletim Legal foi destaque no Museu da Pelada, no Rio de Janeiro. O professor comenta que está treinando para superar novamente seu recorde. “Quero chegar a tirar 50 coletes”, revela.

Projeto Boletim Legal
O projeto acontece há 19 anos e teve início quando o recordista parou de jogar futebol profissional. Segundo o professor Caniddia, o objetivo é incentivar os alunos a melhorarem o comportamento e consequentemente as notas escolares, através da prática esportiva.