Maior fotografia panorâmica em filme convencional

Recorde pertence à artista visual e webdesign de São Paulo, Luciana Ferreira da Silva, que fez uma única foto utilizando uma bobina inteira de filme convencional de 35 mm

01/12/2021
1507 Acessos
Imprimir
Maior fotografia panorâmica em filme convencional
Luciana Ferreira da Silva bate recorde ao tirar uma única fotografia utilizando uma bobina inteira de 35mm de filme convencional / Foto: Enio Biondi
A artista visual e webdesign de São Paulo (SP), Luciana Ferreira da Silva entra para o RankBrasil em 2021 pela Maior fotografia panorâmica em filme convencional. Ela obteve o recorde ao tirar uma única foto utilizando bobina inteira de filme de 35mm (rolinho).

De acordo com a recordista, a fotografia foi feita através de uma câmera básica de plástico adaptada na qual, rolando à mão o filme convencional ela fez capturas 360º produzindo tiras de negativos contínuos, sem cortes entre os quadros.“Para ser uma fotografia única, a câmera não pode ter ‘janela’, cuja função é enquadrar e separar cada um dos 36 quadros que compõem a tira do filme”, explica. Modifiquei algumas travas internas da câmera para obter esse resultado. Mesmo assim não é fácil sair “no ponto certo”.

A imagem mostra a esquina da rua 25 de Março, um dos lugares extremamente movimentados da cidade de São Paulo. “Minha linha de trabalho como artista visual é registrar excessos de pessoas nas ruas, plataformas, pontes e outros lugares de muito trânsito. Gosto desse excesso de informação que não repete a pose, por isso já registrei ruas como a 25 de Março, Ladeira Porto Geral e Largo do Brás”.

A paulistana comenta que trabalhou por muito tempo com protótipos de brinquedos e outros produtos. “Sempre usei materiais como resinas, borrachas, entre outros, para trabalhar com protótipos de brinquedos, então foi rápido a vontade de mudar uma câmera fotográfica”, lembra.

Ela revela que é atraída pela fotografia panorâmica pelo tamanho e quantidade de informação visual extra. “Acho esse formato muito bonito”, conta. Luciana diz que se a imagem recordista fosse impressa com uma altura de cerca de 70 centímetros no lado vertical, a foto teria aproximadamente 33 metros de comprimento. “O filme de 35 milímetros total dá o resultado de algo único, sem cortes, emendas ou outras interrupções. É uma imagem não montada e 100% original”.

Pela conquista do recorde junto ao RankBrasil, a paulistana diz que é muito bacana colocar um trabalho na lista dos brasileiros diferentes ou que gostam de desafios. “É uma forma de levar ao público coisas que podemos fazer e acontecer. Digo mais: as mulheres têm que ir atrás de seus desafios e inventar mais. Eu também cuido de filho, casa, trabalho e outros serviços, mas estou aqui”, destaca.

Obstáculos
Luciana lembra que a maior dificuldade foi o vazamento de luz que ocorria constantemente na câmera improvisada, o que resultava em filmes queimados. “Para amenizar o prejuízo, recebi e ainda recebo doações de filmes para fazer testes”, comenta. “Também é um pouco difícil carregar o material até o local escolhido, achar um ponto ideal de imagem e explicar para os curiosos o que eu estou fazendo no meio da rua com meu tripé, sem contar os carros tirando fina de mim”.

Depois de fazer a fotografia tem o processo de revelação e escaneamento da imagem toda. “Dá o maior trabalho e nem sempre a foto sai”, diz. “Giro o filme manualmente, por isso a falha é grande. Na sequência tem que revelar e digitalizar para poder fazer a impressão, que também não é nada pequena”.
Apesar dos obstáculos, Luciana já está trabalhando no seu próximo desafio: uma imagem em bobina de 120 milímetros, que é bem maior de altura, mas menor no comprimento. “É material original da bobina mesmo. Quero aproveitar o máximo o que um filme comercial fechado e de lote pode fazer”, finaliza.
Tags: