Maior grid de largada de Pick-ups

Evento realizado no autódromo de Interlagos alinhou 47 carros na pista

09/03/2004
7980 Acessos
Imprimir
Maior grid de largada de Pick-ups
Foto: Arquivo DTM PICK-UP
Durante a preliminar da Fórmula Truck, realizada em outubro de 2003, no autódromo de Interlagos, em São Paulo - SP, a DTM PICK-UP bateu o recorde de Maior grid de largada, com 47 carros na pista. O grid médio é de 35 veículos.

O evento é a maior categoria de pick-ups disputado em baterias únicas de 40 minutos cada, somando um total de dez categorias a cada ano.

A conquista do recorde é um prêmio de esforço e dedicação dos criadores e promotores da categoria, Eduardo H. de Mello e Sergio Chamon. Com estreia no Campeonato Paulista de 2001, a categoria teve inicialmente 22 carros no grid da primeira etapa.

No início, a categoria era disputada apenas em São Paulo. Com o passar do tempo e com a inclusão em provas preliminares da Fórmula Truck, a categoria ganhou projeção nacional, porém ela é estabelecida em São Paulo, bem como a sede das equipes.

Desta forma, a DTM PICK-UP passou a competir em outras cidades, entre elas, Cascavel, Curitiba, Londrina, Rio de Janeiro, Goiânia, Brasília e Campo Grande.

A DTM PICK-UP foi idealizada com o objetivo de oferecer uma opção diferenciada, além de belas e equilibradas disputas. Esta fórmula inovadora, com um preparador único dos motores, favorecendo uma incrível raridade entre os veículos e um baixo custo de manutenção.

Em 2004, 32 carros estiveram alinhados na primeira etapa do campeonato, na cidade do Rio de Janeiro, que aconteceu em 07 de março.


Diferenças
O que diferencia estas picapes das que andam nas ruas são algumas regras básicas. Uma delas é que o motor é preparado por uma empresa contratada, é lacrado e re-sorteado a cada três etapas.

Outra regra é que as limitações de acerto são muitas, pois todos os carros têm a mesma característica de acerto de suspensão, pelo fato de serem montados em série, nas oficinas de desenvolvimento técnico da categoria.


Redação: Aline F. Cardoso
Revisão: Fátima Pires