Maior cortina de lacres de latinhas

Recorde pertence a Edvaldo Nunes de Aquino, que confeccionou uma cortina de 4,80 m por 2,70 m, com 200.044 lacres

19/02/2020
3243 Acessos
Imprimir
Maior cortina de lacres de latinhas
Cortina de lacres mede 4,80 m de comprimento por 2,70 m de altura. Objeto demorou aproximadamente 14 meses para ser concluído / Foto: Arquivo recordista
O proprietário de um bar na zona leste da cidade de São Paulo (SP), Edvaldo Nunes de Aquino entra para o RankBrasil em 2020 por ter produzido a Maior cortina de lacres de latinhas. Medindo 4,80 m de comprimento por 2,70 m de altura, o objeto foi feito com 200.044 lacres.

De acordo com o recordista, a ideia de criar a cortina surgiu após ele ver um colar de lacres em um colega. “Confeccionei sozinho. O trabalho demorou aproximadamente 14 meses para ser concluído”, comenta. Segundo ele, o objeto fica na sala de sua casa.

Edvaldo diz que para juntar os lacres ele contou com a ajuda de conhecidos e também comprou de pessoas que adquirem para reciclagem. “Compro daqueles que vendem em depósito de sucatas ou recebo doações de pessoas que sabem que utilizo os lacres”.

Conforme o comerciante, os lacres de cor cinza são mais fáceis de encontrar, já os coloridos mais difíceis. “Alguns dos coloridos que foram colocados na cortina não são mais fabricados”, comenta. Para produzir o objeto, além dos lacres Edvaldo utilizou trilho, rodízio de cortina e terminais (peça de ferro que não deixa o rodízio correr).

Para ele, a cortina é um excelente exemplo de reciclagem: Praticamente 99% do material utilizado é reciclado”, conta. O comerciante diz ainda que o objeto é motivo de admiração “A cortina causa espanto nas pessoas devido ao seu tamanho e como foi fabricada”.

Edvaldo destaca que o recorde junto ao RankBrasil é a realização de um sonho. “Comecei com uma cortina pequena em 2007 e antes disto nunca tinha feito trabalhos de reciclagem. Fui aperfeiçoando a técnica até conquistar este título brasileiro.

O recordista comenta que já está produzindo uma cortina ainda maior. “Faço um pouco por dia. Recebo lacres, higienizo, separo por cores, depois faço os cortes. Então dou inícios à formação das tiras e somente depois começo a fazer as tiras. É um longo trabalho”, finaliza.