Mais jovem a memorizar as capitais do mundo

Wildimark Ribeiro de Andrade participou do Programa ´Tudo é Possível´, da Rede Recorde e conquistou o recorde

03/09/2010
12934 Acessos
Imprimir
Mais jovem a memorizar as capitais do mundo
O paraibano Wildimark Ribeiro de Andrade, de apenas seis anos e cinco meses, entra para o RankBrasil como o Mais jovem a memorizar as capitais do mundo.

Wildimark esteve no palco do Programa ´Tudo é Possível´ com a Eliana, onde foi realizado um teste aleatório das capitais do mundo, para confirmar a memorização. Esta avaliação foi acompanhada pelo auditor do RankBrasil, Luciano Cadari, que já havia realizado um teste prévio com o recordista, que acertou todas as 50 capitais que lhe foram solicitadas.

O jovem prodígio, além de saber todas as capitais do mundo reconhecidas pela ONU, que representam um total de 201 capitais, sabe ainda de mais 6 países, entre eles extintos e não reconhecidos. Ele também já conhece todas as capitais dos estados brasileiros.

Com um ano e dez meses, a facilidade para a memorização foi descoberta pela mãe do garoto. Após assistirem a um programa de TV sobre as capitais do Brasil, imediatamente ela perguntou qual era a capital da Paraíba, e para sua surpresa, teve a resposta: "João Pessoa".

O pai do garoto, Rildimar Carmo de Andrade, assim que voltou do trabalho foi avisado da novidade e começou a pesquisar e ensinar a Wildimark as capitais do Brasil. O processo para o aprendizado do garoto foi feito com muita paciência. Foram ensinadas uma ou duas capitais por dia, até o pai ter certeza de que elas haviam sido memorizadas, para só assim acrescentar mais uma ou duas.

O pai, que sempre acompanhou o filho com muita calma, agora fala da proeza com muita satisfação: “Ele é conhecido na Paraíba como o garotinho das capitais, ele é meu orgulho”.

Wildimark, além de apresentar grande facilidade para a memorização, praticar karatê e traduzir mais de 300 palavras do português para o inglês, é muito querido na comunidade em que vive e no colégio. A equipe do RankBrasil fica na torcida para que ele consiga superar todas estas qualidades.

Raquel Susin - 03/09/2007