Fruto com maior durabilidade depois de colhido

Os tomates da comerciante Simone Aguiar, de Tubarão – SC, não apodrecem. Um dos que foram tirados do pé há quase um ano ainda está intacto

13/11/2012
5471 Acessos
Imprimir
Fruto com maior durabilidade depois de colhido
Um recorde curioso e inusitado, que entra para o RankBrasil em 2012, mais parece um conto de fadas, como os clássicos infantis ‘João e o pé de feijão’, que traz sementes mágicas, e ‘Cinderela’, com uma abóbora que se transforma em carruagem.

Ao contrário da fantasia, a comerciante Simone Aguiar, da cidade de Tubarão – SC, apresentou provas da existência de tomates que não apodrecem, conquistando o recorde de Fruto com maior durabilidade depois de colhido.

Os últimos seis tomates foram retirados em 29 de novembro de 2011, há quase um ano, quando o pé começou a morrer. Segundo a comerciante, dois duraram sete meses e foram abertos para a retirada das sementes e a produção de mudas, e outros dois secaram depois de 10 meses.

Agora restam apenas dois frutos. Simone conta que um deles começou a dar sinal que vai secar, mas o último está totalmente intacto. “É como se o tomate tivesse sido colhido hoje”, afirma. “A única diferença é a cor, que com o tempo ficou mais clara”, comenta.



Tomates especiais
O protagonista desta história – o pé de tomate – apareceu em um terreno vazio em frente à casa de Simone, no meio de matos. Proprietária da lanchonete Manos Lanches, a comerciante acredita que o tomateiro nasceu por acaso, pelo descarte do lixo orgânico no local.

Com vida própria, o pé foi crescendo naturalmente, sem nenhum tipo de cuidado, muito menos com a utilização de agrotóxico. Ao todo, cerca de 20 tomates foram colhidos e os que se transformaram em salada, tinha sabor como qualquer outro.

Simone só percebeu que se tratava de frutos especiais com a retirada dos últimos seis, que ficaram por muito tempo na fruteira, sem apodrecer. Entendendo a dimensão do que estava acontecendo, ela começou a registrar tudo, com fotos, vídeos e declarações de testemunhas, autenticadas em cartório.

Pesquisa para clonagem
A história dos tomates que não apodrecem foi passando de boca em boca, teve repercussão na mídia nacional e até internacional, e despertou o interesse de pesquisadores do curso de Agronomia, da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL).

A comerciante lembra que um dos tomates ficou por cinco meses na UNISUL para um estudo de clonagem. “Infelizmente eles me devolveram o fruto dizendo que a pesquisa seria inviável pelo alto custo, pois a maioria dos equipamentos deveria ser importada”, lamenta.

Durabilidade dos tomates
quantidade duração
2 sete meses
2 10 meses
1 começou a secar
(13/11/2012)
1 intacto
(13/11/2012)
Obra de Deus em prol da ciência
Simone, que tem 36 anos e revela ser muito católica, acredita que os tomates que não apodrecem são obra de Deus e por isso deve dividir a experiência. “Entrar para o RankBrasil é uma forma de divulgar a existência desses frutos”, diz.

De acordo com ela, todas as pessoas que acompanham a história dos tomates especiais estão muito ansiosas para a chegada do troféu de recordista brasileiro, entre a família da comerciante, os clientes da lanchonete e a mídia em geral.

“Meu sonho é doar as sementes para algum órgão governamental que tenha condições de realizar uma pesquisa para clonagem”, destaca. “A partir de tomates que não apodrecem, deve ser possível fazer o mesmo com outros frutos”, acredita.

Depois da conquista do recorde junto ao RankBrasil, Simone pensa em tentar o Guinness World Records, para dividir sua experiência com o resto do mundo. “Pretendo entregar essa obra de Deus para a ciência”, finaliza.


Redação: Fátima Pires

Algumas citações na mídia:
A Tribuna Regional
JCNET
ClicNews