Primeiro ouro olímpico na vela feminina

Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram a medalha dourada na classe 49er FX, nos Jogos do Rio

4000 Acessos
Imprimir
Primeiro ouro olímpico na vela feminina
Nas Olimpíadas do Rio, Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram a primeira medalha de ouro do país na vela feminina / Foto: Wander Roberto_Exemplus_COB
As velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze ganharam o Primeiro ouro olímpico do país na vela feminina. Com o tempo de 21min21s, elas fizeram história ao conquistar a medalha dourada na classe 49er FX, nos Jogos do Rio de Janeiro (RJ), em 2016.

Com o desempenho, Martine estabeleceu outra marca: ela é a primeira filha de um campeão olímpico a repetir o feito. Seu pai, o velejador Torben Grael, foi ouro em Atlanta (1996) e em Atenas (2004), além de obter a prata em Los Angeles (1984) e dois bronzes – em Seul (1988) e Sydney (2000).

A família Grael tem ainda dois bronzes olímpicos (Seul e Atlanta), que foram conquistados por Lars, irmão de Torben e também velejador. Para completar, Kahena também tem antecedente no esporte. Seu pai, o velejador Cláudio Kunze foi campeão mundial da classe Pinguim em 1973.

O ouro nas Olimpíadas do Rio foi a segunda medalha feminina brasileira na vela. Antes, apenas Isabel Swan e Fernanda Oliveira levaram o bronze na classe 470, em Pequim (2008). Ao todo, a vela do Brasil possui 18 medalhas olímpicas, sendo sete de ouro.

Entre outras conquistas, a dupla composta por Martine e Kahena foi campeã mundial júnior (2009), campeã mundial em Santander, na Espanha (2014), além de obter a medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de Toronto (2015). Ainda em 2014, elas foram eleitas as melhores velejadoras do mundo, pela Federação Internacional de Vela (FIV).

Campeãs olímpicas
Martine Soffiatti Grael nasceu em Niterói (RJ) em 12 de fevereiro de 1991 e começou a velejar aos quatro anos. Já a velejadora Kahena Kunze nasceu na cidade de São Paulo (SP), em 12 de março de 1991 e iniciou na vela aos 10 anos.

Elas se conheceram aos 13 anos de idade e se tornaram adversárias na água e amigas fora dela. Competiram juntas em 2009 e retomaram a parceria no final de 2012, com vistas aos Jogos do Rio.