Primeiro brasileiro a pintar uma Via-Sacra Africana

Recorde pertence ao artista plástico de Manhuaçu (MG), Fabrício Santos, que produziu as obras em 2014

15/12/2017
1857 Acessos
Imprimir
Primeiro brasileiro a pintar uma Via-Sacra Africana
Artista plástico Fabrício Santos bate recorde por ser o Primeiro brasileiro a pintar uma Via-Sacra Africana / Foto: Arquivo recordista
O artista plástico de Manhuaçu (MG), Fabrício Santos entra para o RankBrasil em 2017 pelo recorde de Primeiro brasileiro a pintar uma Via-Sacra Africana. No ano de 2014, ele produziu 15 obras somente com personagens negros, retratando o trajeto seguido por Jesus carregando a cruz, que vai do Pretório de Pilatos até o monte Calvário.

Utilizando a técnica mista de desenho a carvão e pinturas com tinta acrílica e aquarela sob papel eucatex, cada quadro mede 70 cm por 50 cm. De todo trabalho realizado, que recebeu o título de Via-Sacra da Cultura Africana, 14 telas foram doadas e estão expostas na Igreja de Nossa Senhora Aparecida, pertencente à Paróquia de São Lourenço de Manhuaçu.

Fabrício já tinha feito algumas Via-Sacras de forma tradicional, mas conta que nunca havia pensando em produzir um trabalho com Jesus Cristo e todos os personagens históricos que participaram de sua Paixão, Crucificação e Morte com a cor da pele negra e com suas vestimentas e acessórios baseados na cultura africana.

De acordo com o artista, as obras foram encomendadas pelo ex-pároco da Paróquia de São Lourenço, padre Renato Dutra Borges, que atualmente reside na África e é pároco da Paróquia Santo Antonio do Kavungo - Diocese de Lwena em Angola, onde foi enviada cópia da coleção.

Entre as dificuldades para a produção das telas, o mineiro aponta a falta de referências para o desenho e a pintura de cada estação. “Tive a ajuda na pesquisa com imagens enviadas da África pelo padre Renato”, lembra. Segundo ele, outro obstáculo foi realizar o trabalho com o desenho em carvão e utilização de técnica mista nas pinturas com tintas aquarela, acrílica, sintética, óleo e verniz sobre papel e madeira.

Para a produção da coleção, o artista teve o auxílio de sua esposa Marilza Alvarenga Teixeira Santos. O recordista também contou com o apoio de sua família, representada pelo GOTLAND – Instituto Cultural de Educação e Artes de Manhuaçu, juntamente com a Central das Artes Família Santos.

Fabrício enfatiza que é uma satisfação conquistar outro título brasileiro, desta vez por ser o Primeiro brasileiro a pintar uma Via-Sacra Africana, tendo cópia da coleção em uma igreja na África. “Como artista plástico e pintor sacro é uma honra ser três vezes recordista pelo RankBrasil através de trabalhos com temáticas religiosas”, destaca.

Conforme o mineiro, este é mais um sonho realizado, mostrando a consolidação de uma carreira artística premiada que completou 20 anos no dia 24 de novembro de 2017. Pelo recorde, ele agradece especialmente a todos os empresários da Agência de Desenvolvimento Econômico e Social do Caparaó e a Igreja Nossa Senhora Aparecida, da Paróquia de São Lourenço de Manhuaçu.

Patrimônio cultural
O original da coleção Via-Sacra da Cultura Africana foi entregue à Igreja Nossa Senhora Aparecida em 11 de outubro de 2017. A doação aconteceu durante a missa da novena de comemoração dos 300 anos da Aparição da Imagem, presidida pelo padre Aureliano de Moura Lima – superior geral dos Missionários Sacramentinos de Nossa Senhora.

Segundo o recordista, durante a missa o padre mencionou que a comunidade estava recebendo um grande patrimônio cultural por ser a única igreja no país a ter uma Via-Sacra de Jesus baseado na cultura africana, e sobre a importância dos cuidados para a proteção e manutenção das obras.

Outros recordes
Fabrício possui outros dois recordes reconhecidos pelo RankBrasil: Maior imagem santa em tela de tecido, com 10 m de altura por 4 m de largura; e Maior tapete da Santa Ceia em areia colorida, medindo 14,7 m de comprimento por 9,3 m de largura.

Veja a galeria de imagens:
Primeiro brasileiro a pintar uma Via-Sacra Africana

Algumas citações na mídia:
Poços Em Dia
JM1 Jornal Das Montanhas