Primeiro clube brasileiro a ter canal oficial no YouTube

Meio de comunicação rubro-negro entrou no ar em 1° de agosto de 2008, através de uma parceria com o Google

01/04/2013
11635 Acessos
Imprimir
Primeiro clube brasileiro a ter canal oficial no YouTube
TV FLA, canal oficial do Flamengo no YouTube - imagem: Youtube
O Flamengo, que já é recordista pela Maior torcida do país, entra novamente para o RankBrasil por ter sido o Primeiro clube brasileiro a ter canal oficial no YouTube. Através de uma parceria com o Google, o meio de comunicação entrou no ar em 1° de agosto de 2008.

Desde que foi implantado, os torcedores podem interagir com o time, assistir a conteúdos exclusivos e produzir seus próprios vídeos sobre o Clube de Regatas do Flamengo. O canal conta ainda com trechos da Fla TV – a TV oficial do rubro-negro.

De acordo com informações do clube, a presença do Flamengo no YouTube é mais uma forma de estreitar as relações com os torcedores, disponibilizando uma maneira diferenciada e inédita destas pessoas expressarem a paixão pelo time do coração.

YouTube
O site YouTube permite que seus usuários carreguem e compartilhem vídeos em formato digital. Foi fundado em fevereiro de 2005, pelo PayPal – um famoso site ligado a gerenciamento de transferência de fundos. Em 2006, o YouTube foi comprado pelo Google – Maior site de buscas.

Flamengo
O Clube Regatas do Flamengo foi fundado em 15 de novembro de 1895. Sua história começou com a criação do remo, o esporte mais praticado na época: daí surgiu o nome ‘Regatas’. A partir do século XX, com a popularidade do futebol, o clube começou a dar seus primeiros passos no esporte. O Flamengo criou oficialmente o seu time de futebol em 24 de dezembro de 1911.

Maior torcida
O time rubro-negro possui a Maior torcida do Brasil, conforme dados de março de 2012, da Pluri Consultoria – empresa brasileira de pesquisa, análise, cenários e tendências. São 29,2 milhões de torcedores, o que equivale a 15% de toda população do país.


Fontes: Extra, Clube de Regatas do Flamengo e Wikipédia
Redação: Fátima Pires