Menor rodovia federal

Com apenas 5,9 km de extensão, recorde é da BR 488, que é conhecida como uma rodovia de ligação

28/02/2008
30143 Acessos
Imprimir
Menor rodovia federal
BR 488 tem apenas 5,9 km de extensão
A BR 488 entra para o RankBrasil em 2008 por ser a Menor rodovia federal do país, com apenas 5,9 km de extensão total.

Tem início na Rodovia Presidente Dutra (BR 116), passa pelo centro da cidade de Aparecida - SP, onde está localizado o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, e termina novamente na Dutra, no bairro Itaguaçu.

É conhecida como uma rodovia de ligação, ou seja, que liga uma rodovia federal a outra, ou ainda a pontos importantes das cidades.

Geralmente a contagem da quilometragem dessas rodovias segue do ponto mais ao norte para o ponto mais ao sul. No caso de ligação entre duas rodovias federais, a quilometragem começa na rodovia de maior importância.

Nomenclaturas das rodovias federais
A nomenclatura das rodovias é definida pela sigla BR, seguida por três algarismos. O primeiro indica a categoria da rodovia, os dois outros algarismos definem a posição, tomando por base a capital federal e os limites: norte, sul, leste e oeste. A quilometragem das rodovias não é cumulativa de um Estado para outro. Toda vez que uma rodovia inicia em algum Estado, começa a ser contada a partir do zero.

>Rodovias radiais: o sentido de quilometragem vai do Anel Rodoviário de Brasília, em direção aos extremos do país e tem o quilometro zero de cada Estado no ponto da rodovia mais próximo à capital federal.
>Rodovias longitudinais: o sentido da quilometragem vai do norte para o sul, com exceção da BR 163 e BR 174, que têm sentido do sul para o norte.
>Rodovias transversais: o sentido da quilometragem vai do leste para o oeste.
>Rodovias diagonais: a quilometragem tem início no ponto mais norte da rodovia e vai em direção ao sul, com exceção da BR 307, BR 364 e BR 392.
>Rodovias de ligação: geralmente a contagem da quilometragem segue do ponto mais ao norte da rodovia, para o ponto mais ao sul.


Redação: Raquel Susin
Revisão: Fátima Pires