Primeiro avião do mundo

Voo histórico aconteceu em 1906 e é reconhecido pela Federação Aeronáutica Internacional. Brasileiro dedicou sua vida a criar máquinas voadoras, projetando, construindo e pilotando

20/07/2012
100330 Acessos
Imprimir
Primeiro avião do mundo
Santos Dumont é considerado o ´Pai da Aviação´
O inventor brasileiro Alberto Santos Dumont criou o primeiro avião do mundo capaz de realizar um voo completo, incluindo decolagem, permanência no ar e pouso, sem a necessidade de uma rampa para lançamento.

Chamado 14 Bis, o avião também ficou conhecido em francês como ‘Oiseau de Proie’, que significa ‘Ave de Rapina’. A demonstração de Santos Dumont, considerado ‘Pai da aviação’, aconteceu em 12 de novembro de 1906, em Paris, na França.

A façanha foi acompanhada por uma multidão de testemunha, inclusive a imprensa europeia, e teve sua autenticidade certificada pelo Aero Clube da França e pela Federação Aeronáutica Internacional (FAI), que reconheceram o voo como primeiro da história.

No mesmo voo, que atingiu 220 metros, em 21 segundos, a uma velocidade média de 37,4 km/h, a FAI ainda homologou o primeiro recorde de distância de um aparelho mais pesado que o ar e em outra demonstração, o primeiro recorde de velocidade, com a marca de 41,3 km/h.

Alguns dias antes, em uma primeira tentativa não registrada oficialmente, realizada em 23 de outubro de 1906, o aviador Santos Dumond voou cerca de 60 metros com o 14 Bis. Neste voo, o brasileiro atingiu uma altura entre dois a três metros.

Primeiros dirigíveis
O inventor ainda projetou, construiu e voou nos primeiros balões dirigíveis com motor a gasolina, mérito também reconhecido internacionalmente. Em 19 de outubro de 1901, ele ganhou o Prêmio Deutsch, ao pilotar seu dirigível número 6, em um voo de 30 minutos contornando a Torre Eiffel, em Paris.

Valendo 100 mil francos (moeda da época), o prêmio foi criado pelo milionário do petróleo Henri Deutsch de la Meurthe e seria destinado à primeira pessoa que conseguisse fazer tal trajeto com uma máquina voadora motorizada. Com a realização, o brasileiro se transformou em uma das pessoas mais famosas do mundo durante o século XX.

História de vida
Santos Dumont nasceu em 20 de julho de 1873 na cidade de Palmira – MG. Desde criança a tecnologia o fascinava. Ainda menino, começou a construir pipas e pequenos aeroplanos movidos por uma hélice acionada por molas de borracha torcida.

Residindo na França desde os 17 anos, estudou Ciências e viajou por diversos países da Europa. Um verdadeiro gênio da aviação, ele dedicou sua vida a criar máquinas voadoras, projetando, construindo e pilotando diversos dirigíveis, aeroplanos e ultraleves.

Em 1900, o inventor já havia criado nove balões, com dois que se tornaram famosos: o Brazil, inflado a hidrogênio e estreado em 04 de julho de 1898 e o Amérique, que em 13 de junho de 1899 obteve o quarto lugar em um torneio aéreo, destinado ao balonista que pousasse mais distante do ponto de partida.

Simultaneamente ao balonismo, Santos Dumont começou experiências com dirigíveis. O primeiro projetado foi o N1, com 25 metros de comprimento e 180 de cubagem, que foi inflado no dia 18 de setembro de 1898. O experimento acabou rasgado antes do voo, devido a uma manobra mal feita pelos ajudantes.

Ganhador de vários prêmios de aviação, o dinheiro que recebia o brasileiro geralmente distribuía entre seus operários e para as pessoas mais pobres de Paris. Santos Dumont não teve filhos e não há registros de esposa ou namoradas.

Invenção causou a morte
Em 1908 Santos Dumont foi diagnosticado com esclerose múltipla e não era mais capaz de dirigir ou pilotar. Ainda assim, em 28 de setembro de 1909 realizou seu último voo. A doença o levou a uma profunda depressão e de certa maneira, a invenção do avião levou à sua morte.

Com o início da Primeira Guerra Mundial, o brasileiro presenciou a utilização de aeroplanos no conflito. Amargurou-se pela invenção ser utilizada para maus propósitos. Em 1928 voltou ao Brasil e em 23 de julho de 1932, no Guarujá – SP ele cometeu suicídio aos 59 anos de idade.

A história relata que o suicídio foi possivelmente porque Santos Dumont avistou os aviões de Getúlio Vargas, a caminho de um ataque contra a Revolução Constitucionalista no Campo de Marte, pois os pilotos da base integravam o Movimento para derrubar o presidente.

Principais homenagens
O ‘Pai da aviação’ recebeu homenagens em vários países do mundo. No Brasil, em 1932, o decreto estadual número 10.447 mudou o nome de sua cidade natal, Palmira, para Santos Dumont. No ano de 1936, o primeiro aeroporto do Rio de Janeiro foi batizado como Santos Dumont.

O aviador também foi homenageado no país pelo Correio Brasileiro, que em 1956 lançou uma série de selos comemorativos ao cinquentenário do primeiro voo de aparelho mais pesado que o ar. No mesmo ano, a casa do aviador no país foi transformada no Museu Casa Natal de Santos Dumont.

Irmãos Wright
Depois da apresentação do primeiro avião do mundo sem a necessidade de uma rampa para lançamento, construído por Santos Dumont, apareceram os irmãos Wright, reivindicando o recorde. Porém, a máquina dos norte-americanos criada anteriormente não conseguia decolar por si só.

Relógio de pulso
Santos Dumont também popularizou os relógios de pulso. Amigo do famoso relojoeiro Louis Cartier, o inventor falou das dificuldades em cronometrar os voos e ganhou de presente um relógio com pulseira de couro, para marcar o tempo de seus recordes aéreos.


No Google
Em 2012, no dia em que Santos Dumont completaria 139 anos de idade, o Google presta uma homenagem ao inventor com um doodle (logotipo especial). A imagem destaca o ‘Pai da aviação’ com um fundo mostrando um avião entre as letras que compõem o nome do site.


Fontes: Wikipédia, UOL Educação e Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas
Redação: Fátima Pires