Primeira cidade com lixeiras subterrâneas

Recorde é do município do interior de São Paulo, que em 2011 implantou um sistema econômico, higiênico e seguro, evitando o acúmulo de resíduos nas ruas

09/06/2012
5889 Acessos
Imprimir
Primeira cidade com lixeiras subterrâneas
Imagem: divulgação
Paulínia, no interior de São Paulo, é a Primeira cidade brasileira com lixeiras subterrâneas, que foram instaladas em 2011, pela empresa portuguesa Sotkon.

São recipientes de aço inoxidável, colocados na superfície sobre contentores subterrâneos, ou seja, no subsolo das calçadas, e podem comportar até três metros cúbicos de resíduos, o equivalente a três mil litros.

O sistema é dividido em quatro caixas, uma para cada material reciclável. Assim, o lixo descartado pelo morador em um dos recipientes será direcionado ao coletor subterrâneo, até que o caminhão passe para recolher.

Com o mecanismo subterrâneo, o lixo não é acumulado nas ruas, evitando o entupimento de bueiros em dias de chuva e enchentes, e deixando o município mais limpo.

As lixeiras especiais também impedem a ação de vândalos e animais, que espalham os resíduos, reduzindo as pestes urbanas, como ratos e baratas, e odores indesejáveis.

Sistema simples, econômico e seguro
O sistema surgiu no ano de 1995, na Espanha e a inovação se espalhou rapidamente pelo mundo, pela simplicidade, contribuição com a preservação do meio ambiente e economia.

A perspectiva é de reduzir os custos de coleta em até 30%, com menor utilização de mão de obra, deslocamento de veículo e energia. Além disto, os coletores subterrâneos são higiênicos e seguros.

Para a retirada do lixo, uma pequena grua hidráulica automática é colocada no teto da caixa subterrânea, que é suspensa até a superfície e presa ao caminhão tradicional, onde o resíduo é despejado.

Paulínia
O município de Paulínia tem 139 km² e 84.512 habitantes, de acordo com o Censo de 2010 do IBGE. Faz parte da microrregião de Campinas e está localizada a aproximadamente 120 quilômetros de distância da capital paulista.


Fontes: Eco Desenvolvimento, Revista Superinteressante, G1e Wikipédia
Redação: Fátima Pires