Mais rápida formação em doutorado em Letras

Recorde pertence ao professor Bruno Gomes Pereira, que concluiu mestrado e doutorado em dois anos e quatro meses

13/02/2020
2509 Acessos
Imprimir
Mais rápida formação em doutorado em Letras
Professor Bruno Gomes Pereira concluiu mestrado e doutorado em dois anos e quatro meses / Foto: Arquivo recordista
O professor da cidade de Araguaína (TO), Bruno Gomes Pereira entra para o RankBrasil em 2020 pela Mais rápida formação em doutorado em Letras. Ele concluiu o mestrado e doutorado em Letras – Ensino de Língua e Literatura (com ênfase em Estudos Linguísticos), pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) em dois anos e quatro meses.

Bruno começou o mestrado em março de 2013 e terminou em junho de 2014. O doutorado teve início em março de 2015 e término em julho de 2016. “Não quis dar intervalo entre os dois porque se eu parasse um pouco perderia o pique”, lembra. “Não me arrependo. Acho que fiz a coisa certa, mesmo estando extremamente cansado quando finalizei o doutorado”, completa.

No mestrado, o professor analisou representações de alunos-mestres de licenciaturas paraenses utilizando a Linguística Sistêmico-Funcional para microanálise dos dados pelo viés da Linguística Aplicada. “Anos depois transformei o trabalho em um livro”, comenta.

Segundo ele, o doutorado foi um pouco mais complexo. “Propus a criação de uma teoria para o ensino da escrita acadêmica convencional e reflexiva, a partir de análises de relatórios de estágios e de resenhas acadêmicas”, diz. . Para isso, o professor problematizou o princípio da relocalização de saberes acadêmicos como instrumentos viabilizadores de práticas de letramento. “Não teria conseguido se não fosse o apoio do meu orientador, doutor Wagner Rodrigues Silva, por quem tenho uma admiração eterna e sou muito fã”.

Bruno conta que sempre foi muito disciplinado. “Nunca foi sacrificante passar um final de semana em casa lendo e pesquisando. Acho que disciplina é super importante. No meu caso, acho que a principal dificuldade é justamente reconhecer o meu limite, porque realmente a rotina de estudo é muito intensa.
Isso vai gerando um cansaço que pode se desdobrar em outros problemas”, diz.

De acordo com ele, todo o esforço valeu a pena. “Entrar novamente para o RankBrasil não é um prêmio, é mais que isso. É um toque onde Deus diz: ‘Ei, estou contigo’. Não tenho palavras”, destaca. O professor ressalta que desta vez o título brasileiro é diferente, porque o doutorado tem uma significação especial em sua vida. “Poder contribuir com a escrita da história no Brasil envaidece qualquer um, mas para mim vem sinalizar que eu não estou louco, que estou no caminho certo”.

Currículo exemplar
Bruno é natural de Rondon do Pará (PA) e tem atualmente 31 anos de idade. É professor há aproximadamente 17 anos, sendo quase 10 anos dedicados à educação superior. Graduado em Licenciatura Plena em Letras (Língua Portuguesa e Literatura Luso-Brasileira) pela Universidade do Estado do Pará (UEPA), também é especialista em Linguística Aplicada pela Faculdade de
Tecnologia Antônio Propício de Aguiar Franco (FAPAF).

O professor investiga processos de constituição, produção e representação da escrita acadêmica convencional e reflexiva em cursos de bacharelado e licenciatura. Atua nas áreas de Teoria do Texto e Análise Linguística em interface com os Estudos do Letramento Acadêmico pelo viés da Linguística Aplicada (LA).

Além de artigos científicos publicados em LA (produzidos em Inglês, Português e Espanhol), é membro de Conselhos Editoriais de revistas acadêmicas e livros científicos no Brasil e no mundo. Bruno ainda tem 25 livros lançados e centenas de artigos publicados em inglês, português e espanhol em diversos países da América Latina.

Outros recordes
O professor Bruno também é recordista junto ao RankBrasil pelos recordes de Mais jovem professor universitário, Maior número de participação em bancas examinadoras e Maior número de publicações em revistas acadêmicas.