Maior soltura de filhotes de tartarugas à natureza

Projeto da Ecovale devolveu 1,83 milhão do animal ao meio ambiente. RankBrasil acompanhou os trabalhos e oficializou o título

22/12/2013
7739 Acessos
Imprimir
Maior soltura de filhotes de tartarugas à natureza
Naturalmente, de cada mil tartarugas que nascem, apenas uma resiste. Com o projeto, de cada mil, entre 100 e 150 sobrevivem
A Associação Comunitária Quilombola e Ecológica do Vale do Guaporé (Ecovale – RO) é um exemplo da luta em defesa do meio ambiente no que se refere à sobrevivência de animais, alguns com risco de extinção.

Com um projeto realizado em 2013, na cidade de Costa Marques (RO), às margens do Rio Guaporé, conquistou o recorde de Maior soltura de filhotes de tartarugas à natureza.

O fiscal do RankBrasil, Luciano Cadari acompanhou o processo e oficializou o título. No dia 21 de dezembro foram devolvidas ao meio ambiente 1.830.000 tartarugas da Amazônia. Segundo Cadari, a contagem aconteceu através de vários métodos de amostragem, entre estimativa por área quadrada e número de tartarugas por ninhos.

De acordo com o representante da Associação Comunitária, José Soares Neto, o trabalho é prazeroso e certamente terá continuidade. “Naturalmente, de cada mil tartarugas que nascem, apenas uma resiste. Com o projeto, de cada mil, entre 100 e 150 sobrevivem”, conta. Conforme ele, são muitos os predadores, entre os animais aquáticos e o próprio homem, que captura os ovos, os filhotes e também as tartarugas depois da desova, para fins de alimentação e comércio.

“É difícil descrever com palavras o importante e complexo projeto desenvolvido pela Ecovale”, diz Luzia Penha, secretária de Turismo e Meio Ambiente de Costa Marques. Ela destaca que, apesar do risco de extinção no país, é possível encontrar as tartarugas na região: “Isso é o resultado de uma batalha para proteção destes animais e conscientização ambiental da população”.

Para a concretização da maior soltura de tartarugas do Brasil, a Ecovale contou com o patrocínio da Noma do Brasil, Unicesumar – Centro Universitário Cesumar, Distribuidora Coimbra, Grupo LF, através das concessionárias Citroen, Peugeot, Mitsubishi, além da colaboração da Noma Motores.

O projeto
Com o objetivo de garantir a segurança dos animais, a Ecovale realizou o monitoramento durante 24 horas, a partir da desova. José Soares diz que existe uma base permanente para observação e uma equipe de 12 pessoas envolvidas diretamente, e outras 12 que atuam como voluntárias. “Após período de proteção contra predadores, desde a colocação dos ovos até a eclosão, os filhotes são devolvidos à natureza”.

Busca por pesquisadores
A Associação busca uma parceria com pesquisadores para averiguar se o aquecimento global está prejudicando o desenvolvimento das tartarugas. José Soares explica que o calor determina o período de desova e o nascimento dos filhotes, além de interferir no sexo. De acordo com ele, há anos atrás o tempo de eclosão era de em média 65 dias, sendo que em 2012 foi de aproximadamente 58.

Em 2013, as fortes chuvas adiaram a soltura, que estava programada entre 5 e 15 de dezembro. “Somente no dia 8 nasceram os filhotes do primeiro ninho e é preciso considerar que os animais ainda ficam enterrados em torno de seis a oito dias para depois saírem do buraco”, conta o representante da Ecovale. “Desta forma, a devolução à natureza aconteceu no dia 21, garantindo a eclosão de todos os ovos”, completa.

Tartaruga da Amazônia
Encontrada no rio Amazonas e seus afluentes, a tartaruga da Amazônia é o maior quelônio de água doce do Brasil. Adulta, pode medir até 1,5 m de comprimento, 60 cm de largura e pesar 60 kg. O animal enterra cerca de 100 ovos em um buraco maior que 50 cm de profundidade, espalhando areia para cobri-los e camuflar o local. Após a desova, hiberna na própria região, virando presa fácil para captura.

Ecovale
A Ecovale foi criada em 1999 e também atua na segurança de outros animais, entre gaivota, camaleão e teteu. Nestes anos, já devolveu ao meio ambiente mais de 10 milhões de filhotes. Em 2011 foi declarada de utilidade pública, por meio da lei estadual número 2.438. O reconhecimento garantiu à Associação equipamentos doados pelo governo do estado: um veículo para percorrer as áreas de desova, um barco e dois motores para barco.

Confira a galeria de imagens:


Reportagem do SBT:


Redação: Fátima Pires

Algumas citações na mídia:
Rede Globo - Globo Rural
G1 Rondônia
Jornal O Farol
Rota Comando
Clic News
Folha Interior
Site Barra
UNICESUMAR
Voz Da Terra
Portal Do Meio Ambiente
Jornal Correio De Colíder Regional
Rondônia Web
O Observador
Floresta Notícias
Correio Popular
Anda
Revista Ecológica