Ponto mais alto do Brasil

Com mais de 2.993 metros, o recorde é do Pico da Neblina, que fica no Estado do Amazonas

16/03/2008
84214 Acessos
Imprimir
Ponto mais alto do Brasil
O RankBrasil homologou o Pico da Neblina como o Ponto mais alto do país, com 2.993,8 metros de altitude.

A medição foi realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e IME (Instituto Militar de Engenharia).

Localizado no Parque Nacional do Pico da Neblina, que fica em São Gabriel da Cachoeira – AM, fronteira do Brasil com a Colômbia e a Venezuela, o Pico da Neblina ganhou este nome pelo fato de se encontrar praticamente o ano todo coberto por nuvens.

A vegetação fechada é comum até os 1000m de altitude. Até os 1.700m, as árvores são de médio e pequeno porte e a partir dos 1800m, a vegetação é rasteira. Até os 1000m de altitude chove muito e a partir daí, as nuvens não conseguem atingir a altitude.

Chovendo menos, a partir dos 2.500m, o clima passa a ser mais seco. As temperaturas variam nas áreas. Até os 700m, durante o dia chega a 32°C, e à noite, 21°C. Entre 750m a 2000m, 26°C durante o dia e 17°C à noite. Nas áreas de altitude superior a 2000m, as temperaturas são de 20°C ao dia e 7°C à noite.

O parque
O parque possui uma área de aproximadamente 2.200.000 hectares, administradas pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), e o segundo maior pico do Brasil, o Pico 31 de Março, com 2.972m também está situado no local.

A cidade de São Gabriel da Cachoeira, onde se localiza o parque, tem outros atrativos. A grande maioria dos moradores são descendentes dos índios Yanomamis e Tucanos, e conserva as tradições herdadas.

Acesso
O acesso é bastante complicado: para chegar ao pico é preciso viajar alguns dias de carro, de barco e ainda caminhar muito. O trajeto começa no município de São Gabriel da Cachoeira, percorrendo 85km de carro.

Depois disto são dias de barco pelo rio Caubuirís e dois dias de caminhada. O passeio exige condicionamento físico e muita vontade de concluir o trecho.


Redação: Raquel Susin
Revisão: Fátima Pires