Ultramaratona mais rápida pelos quatro desertos extremos

Em 300 dias, o ultramaratonista Carlos Dias totalizou mil quilômetros em seu desafio

15/06/2009
5582 Acessos
Imprimir
Ultramaratona mais rápida pelos quatro desertos extremos
Foto: Arquivo pessoal - Carlos Dias
O ultramaratonista Carlos Dias conquista mais uma página na história do Brasil, após participar do circuito Racing the Planet, uma Copa do Mundo dos Desertos.

Na competição, ele estabeleceu o recorde de Maratonista a completar os quatro desertos extremos em menor tempo, entrando para o RankBrasil em 2009.

Cada deserto foi divido em seis etapas. A copa reuniu atletas de 32 países e os participantes eram responsáveis em carregar sua alimentação e equipamentos de segurança, além dos sacos de dormir.

Aos 36 anos, o recordista correu os quatro desertos mais extremos do planeta, divididos em 250km, totalizando mil quilômetros em 300 dias.

”No meu primeiro dia de corrida senti muito o calor e a altitude. Logo nas duas primeiras horas passei muito mal, fiquei naquele momento apreensivo e pensei em desistir, pois meu corpo respondeu com muita exaustão e fraqueza", lembra.

Segundo ele, a equipe médica o socorreu no meio do deserto com muita eficiência. "Eles queriam me dar soro mas não aceitei pensando que seria desclassificado: somente tomei mais líquido e decidi seguir com um ritmo menor”, relata.

Os quatro desertos

O primeiro deserto foi o Gobi, na China, considerado o mais úmido. Carlos começou a maratona em 08 de junho de 2008, às 8h da manhã e terminou em 14 de junho às 11h17, permanecendo na prova 63h37min12.

O segundo foi do Saara, no Egito, considerado o mais quente. Ele iníciou no dia 26 de outubro 2008 às 8h e seguiu sua maratona até dia 1° de novembro às 12h30, completando a prova em 51h43min18.

O terceiro deserto conquistado foi o da Antártica, no Pólo Sul, considerado o mais frio. O recordista permanecendo 26h30min10, tendo início no dia 28 de novembro de 2008 e término em 30 de novembro.

Na época em que o atleta permaneceu na Antártica não havia noite, o que favoreceu o tempo para conclusão da terceira etapa.

O último deserto foi o Atacama, no Chile, considerado o mais seco. Começou a correr em 29 de março de 2009 às 8h e terminou no dia 04 de abril às 11h08, totalizando 60h37.

“O deserto mais exaustivo foi o Atacama, pois enfrentei um forte calor durante o dia. De noite a temperatura baixava para menos 0º. O solo mudava a cada hora, peguei pedras, sal, lama, água gelada, arbustos com raízes, muitas subidas e descidas, além de grutas. Esse deserto me deixou exausto”, conta.

Apoio
Todos os participantes da maratona contavam com apoio de equipes médicas de seis nações, entre Estados Unidos, Escócia, França, Espanha, Irlanda e Inglaterra.


Redação: Aline de Oliveira
Revisão: Fátima Pires

Algumas citações na mídia:
Runner´s World