Primeiro árbitro brasileiro na história do boxe olímpico

Considerado um dos melhores juízes do mundo na modalidade, recordista tem 47 anos de idade e 25 de arbitragem

17/07/2012 11:00:00
5121 Acessos
Imprimir
Primeiro árbitro brasileiro na história do boxe olímpico
Pela primeira vez na história do boxe olímpico o Brasil terá um representante na arbitragem. Trata-se do paraense Jones Kennedy, considerado um dos melhores juízes do mundo na modalidade.

Convocado pela Associação Internacional de Boxe (AIBA), ele ficou entre os cinco primeiros, de 15 indicados durante o Mundial de Baku, Azerbaijão, para ir a Londres trabalhar nas lutas durante os Jogos Olímpicos de 2012.

Com 47 anos de idade e 25 de arbitragem, Jones também foi escolhido pelas atuações em outros campeonatos internacionais oficiais, como os Jogos Pan-Americanos e na Série Mundial de Boxe (WSB – sigla em inglês).

Segundo o recordista, de acordo com entrevista publicada no site do Ministério do Esporte, ele vai participar com o compromisso de tentar ser o melhor árbitro das Olimpíadas deste ano.

“O Brasil já tentou inúmeras vezes e nunca teve um representante na competição. Serão 30 árbitros de todo o mundo e somente dois da América do Sul”, destaca, orgulhoso. O paraense completa: “Preparei-me muito nos últimos anos para me manter entre os melhores do mundo”.

Os combates de boxe das Olimpíadas de Londres acontecem no Ginásio do ExCeL Exhibition Centre. As lutas começam no dia 28 de julho e seguem até 12 de agosto.



Avaliação e escolha
Em cada luta de boxe dentro de campeonatos internacionais oficiais existe um corpo de jurados, com representantes de cinco países, que avalia os árbitros. São considerados diferentes critérios, entre eles, atuação em cima do ringue e as notas como juiz atribuídas a cada luta, que deve estar na média.

Carreira e reconhecimento
Jones Kennedy já atuou, entre outras competições, em três jogos Pan-Americanos e seis campeonatos mundiais. Por sua atuação, foi considerado o melhor árbitro dos Jogos Sul-Americanos de Medellín, em 2010, e do Pan de Guadalajara, em 2011.

Além disto, o recordista é condecorado com três estrelas da AIBA, que é o mais alto nível de arbitragem da entidade. Em breve, o árbitro brasileiro vai ganhar mais duas estrelas, fazendo parte do grupo de 10 integrantes do futuro órgão profissional que a Associação vai lançar em 2013.


Fontes: Rede Record, Globo Esporte e Ministério do Esporte
Redação: Fátima Pires