Menor bebê prematuro a sobreviver

Com apenas 360 gramas e 27 centímetros, recorde é de Carolina Terzis. De acordo com especialistas, crianças que nascem com menos de 400 gramas e que sobrevivem é uma exceção, uma raridade

03/05/2012
11369 Acessos
Imprimir
Menor bebê prematuro a sobreviver
A brasileirinha Carolina Terzis é o Menor bebê prematuro a sobreviver no país. Ela nasceu em 16 de novembro de 2011, em Minas Gerais, com apenas 360 gramas e 27 centímetros.

Foram 25 semanas de gestação, quando o normal são 40 semanas. Por ser prematura, Carolina enfrentou sérias complicações de saúde, mas venceu a batalha pela sobrevivência e recebeu alta depois de cinco meses e 15 dias de internamento.

A menina deixou o hospital Vila da Serra, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em 02 de maio de 2012, com 3,365 quilos e 47,5 centímetros.

“A Carolina tem duas datas de nascimento, no dia em que nasceu, e hoje que ela está saindo do hospital. Ela mostrou que é persistente, que é uma lutadora”, disse a mãe, a psicóloga Alexandra Terzis, em entrevista para o G1, enquanto aguardava para levar a filha para casa.

O pai da criança é o mecânico Thiago Fernandes, que diante da imprensa também comemorou a alta da filha, destacando que “tudo na Carolina é delicado”.

Caso raro
O caso repercutiu em todo o país. De acordo com especialistas na área, crianças que nascem com menos de 400 gramas e que sobrevivem é uma exceção, uma raridade.

Segundo o chefe do Centro de Terapia Intensiva Neonatal do Hospital Vila da Serra, Marcus Jannuzzi, que acompanhou a recuperação de Carolina, no mundo, há registros de apenas 138 bebês que nasceram abaixo de 400 gramas: “Não sei se foi Deus ou milagre, mas é um caso raro na medicina”.

No hospital, Carolina respirava com a ajuda de aparelhos, recebia nutrição por sonda e via venosa. Mesmo em casa, por enquanto, ela ainda vai usar aparelho para auxiliar na respiração.

Pelo risco de sequelas, nos próximos meses, a menina terá que passar por avaliações de um neuropediatra e de um fisioterapeuta. Independente do que precisar enfrentar na vida, Carolina já mostrou ser uma vencedora.


Fontes: G1, Terra, Hoje em Dia, Zero Hora e Jornal Nacional
Redação: Fátima Pires