Chuvas fortes adiam soltura de tartarugas em Rondônia

Como os filhotes não nasceram no tempo previsto, os animais serão devolvidos à natureza somente no próximo dia 21

09/12/2013
5666 Acessos
Imprimir
Chuvas fortes adiam soltura de tartarugas em Rondônia
Soltura de tartarugas foi adiada para o dia 21. Projeto da Ecovale prevê a devolução de mais de dois milhões de filhotes à natureza
As fortes chuvas adiaram a soltura das tartarugas da Amazônia em Costa Marques (RO), projeto da Associação Comunitária Quilombola e Ecológica do Vale do Guaporé (Ecovale – RO).

A devolução dos animais à natureza iria acontecer entre 5 e 15 de dezembro, mas como a eclosão dos ovos está diretamente relacionada ao calor, os filhotes não nasceram no tempo previsto.

De acordo com o representante da Ecovale, José Soares Neto, nunca houve tanta chuva como em 2013. “Fizemos a estimativa de nascimento de acordo com os outros anos, mas infelizmente é uma questão de natureza”. José conta que somente ontem (8) nasceram os filhotes do primeiro ninho: “Eles ainda ficam enterrados em torno de seis a oito dias para então saírem do buraco”.

Com o objetivo de garantir a eclosão de todos os ovos, a soltura vai acontecer no próximo dia 21, às 8 horas, às margens do Rio Guaporé. Para as pessoas interessadas em participar do evento, barcos para travessia estarão disponíveis na Fazenda Pastorio, a partir das 6 horas da manhã.

Recorde
A Ecovale prevê este ano a soltura de mais de dois milhões de tartarugas. Para fazer o registro oficial do recorde, o fiscal do RankBrasil, Luciano Cadari está em Rondônia acompanhando o processo. No projeto é realizado monitoramento durante 24 horas, a partir da desova, garantindo a segurança dos ninhos contra predadores.

Reduzindo o risco de extinção
A tartaruga da Amazônia está entre os animais com risco de extinção no Brasil. Naturalmente, de cada mil filhotes que nascem, apenas um resiste. Com o projeto da Ecovale, de cada mil, entre 100 e 150 sobrevivem.

Redação: Fátima Pires