Objeto feito com maior quantidade de palitos de fósforo reciclados

Edy Paiva, artista plástico, faz suas obras com palitos de fósforo reciclados. Confira algumas arquiteturas inusitadas

17/01/2004
15595 Acessos
Imprimir
Objeto feito com maior quantidade de palitos de fósforo reciclados
Em 2001, Edy Paiva, artista plástico de Vitória da Conquista - BA, começou a montar obras em palitos de fósforo. Desde então, não parou mais de desenvolver este trabalho. O que o incentivou foi uma obra feita de talas de madeira de forma espiral, em uma visita à Bienal de São Paulo. Alguns trabalhos também são inspirados em construções e prédios.

No início, sua primeira experiência foi com palitos de picolé. Ele fez duas torres em forma espiral. A partir daí, teve a idéia de fazer com palitos de fósforo, com a ideia de reaproveitar os palitos queimados, dando um outro destino a um material que iria para o lixo.

Cada obra leva de três a sete meses para ficar pronta. Um de seus painéis, com as medidas de 1m x 1m, demorou quase um ano para ser concluído. Neste trabalho, foram utilizados 14.723 palitos. Suas obras são de variados tamanhos e formas, que vão de 20cm de altura até 1m. Juntando todos os trabalhos, já foram utilizados 56.000 palitos. Em sua menor obra, o recordista utilizou 1.800 palitos.

Edy Paiva adquire os palitos com a ajuda de amigos e parentes. "Depois de uma entrevista que fiz na TV, solicitando mais fósforos, muitas pessoas têm me ajudado, entregando-me os palitos queimados", diz.

Para a montagem das obras, ele utiliza os palitos, cola de madeira e uma base de madeira como suporte, e material elétrico, para os trabalhos com luminárias. Antes da montagem, o recordista faz um esboço no papel, coloca os palitos e vai colando, e depois retira o papel. No início, Edy Paiva usava somente os palitos, depois foi juntando caixas e também fez uma obra com elas.

Suas obras ainda não foram vendidas. A intenção do recordista é vender o conjunto completo dos trabalhos e não, peças separadas. Por enquanto, quem quiser prestigiar as obras, basta visitar uma das salas da Sub Delegacia do Ministério do Trabalho de Conquista (Sub-DRT). Os trabalhos vão estar em exposição permanente neste local.

Redação: Aline F. Cardoso - 17/01/2004/ Revisão: - jornalista Raquel Susin - 24/07/2007