Maior número de motos em globo da morte

Oito integrantes da mesma família conquistam o recorde e entram para o RankBrasil

26/05/2008
23162 Acessos
Imprimir
Maior número de motos em globo da morte
O RankBrasil esteve nos estúdios da Rede Record em 2008, para homologar um recorde que desafia a Lei da Gravidade. O título Maior número de motos em globo da morte foi conquistado por oito integrantes da mesma família.

Marcelo Palacios, Mario Palacios, Marcio Nenes, Wagner Feitteiro, Luiz Ayres, Gerson Saucedo, Willi Palacios e Gil Santos são os únicos globistas do Brasil a rodar com oito motos.

O coordenador do grupo, Marcelo, fala das dificuldades das apresentações e dos perigos da atividade: “Todas as vezes que entramos no globo, sabemos que é algo muito ariscado. Entramos tranquilos e saímos super nervosos, porque qualquer descuido pode ser fatal”.

Durante o show, a distância entre uma moto e outra dentro do globo fica entre 10cm e 15cm, mas a dificuldade e a evolução do número só aconteceram com muita prática e dedicação de todos os participantes.

Circo de Moscou
A tradição na realização de grandes espetáculos é uma marca registrada da família recordista, que faz parte do Circo Moscou, um dos maiores do Brasil.

Com 60 anos de história no país, o circo já existia em Moscou e chegou aqui com o bisavô de Marcelo. No circo, o espetáculo do globo da morte acontece com sete pilotos, o que já causa muita adrenalina em toda a plateia.

Cuidados especiais
>Todas as motos são de modelos comuns, variando as cilindradas ente 125cc, 135cc e 200cc
>Todas as motos passam por revisões completas todos os dias
>Manter a calma
>Verificar equipamento de segurança, roupas e capacete
>Ter espírito de equipe


Redação: Raquel Susin
Revisão: Fátima Pires


Curiosidade
O globo da morte consiste em uma espécie de jaula, em forma de esfera de aço, onde alguns motoqueiros andam com suas motos por dentro dela. A atração é muito utilizada em circos.

História
O globo da morte foi criado nos EUA em 1904 e veio para o Brasil na década de 30, através do italiano Guido Conci. Na época, Panair do Vale, com 13 anos, aprende as peripécias dentro da esfera de aço, apesar de mal alcançar os pés no globo, para se apoiar na motocicleta.

Panair, pioneiro na exportação do globo e de brasileiros para outros países, levava o alto nível do show proporcionado por brasileiros no globo da morte.


Fonte: Wikipédia