Primeiro pódio triplo em Paralimpíadas

Terezinha Guilhermina, Jerusa Santos e Jhulia Karol ganharam respectivamente ouro, prata e bronze nos 100m rasos para cegas

06/09/2012
4816 Acessos
Imprimir
Primeiro pódio triplo em Paralimpíadas
O Brasil conquistou pela primeira vez um pódio triplo em Paralimpíadas. O recorde histórico veio com o atletismo feminino nos Jogos de Londres, em 2012, nos 100m rasos T11 (categoria para deficientes visuais).

Com o tempo de 12s01, Terezinha Aparecida Guilhermina, acompanhada pelo guia Guilherme Santana, ficou com a medalha de ouro, estabelecendo um novo recorde mundial na prova. No torneio, ela ainda conquistou o primeiro lugar nos 200m rasos.

A medalhista de prata, Jerusa Geber Santos, com o guia Leonardo Lopes, completou a prova em 12s75. Ela também ficou em segundo lugar nos 200m rasos das Paralimpíadas de Londres. Já a velocista Jhulia Karol dos Santos, que foi guiada por Fábio Dias, obteve o bronze com o tempo de 12s76.

Para subirem ao pódio, fazendo a festa em verde e amarelo, Jerusa e Jhulia foram carregadas no colo pelos seus guias até o local da premiação. Já Terezinha e seu guia entraram dançando uma espécie de valsa comemorativa.



Tripla superação
A conquista inédita do Brasil teve sabor especial para as três paratletas. Terezinha não conseguiu ganhar a prova dos 100m nos Jogos de Pequim, na China, em 2008, por ter tropeçado na largada. Em Londres, ela deixou de disputar o bronze nos 400m, por causa da queda do seu guia na reta final.

Para conquistar a prata nos 100m rasos, a paratleta Jerusa teve de correr com um guia reserva, pois seu marido, Luiz Henrique Barbosa, que é auxiliar titular, sofreu uma lesão muscular na véspera da prova.

Jhulia conseguiu se livrar da frustração de ter perdido o bronze nos 200m rasos, também em Londres. Naquela ocasião, durante cerca de uma hora e meia ela estava em terceiro lugar, mas a organização cancelou a desclassificação da chinesa Jia Juntingxian, tirando a brasileira do pódio.


Fontes: Ministério do Esporte, Paralimpíadas e Comitê Paralímpico Brasileiro
Redação: Fátima Pires