Primeira medalha do Brasil em Paralimpíadas

A dupla brasileira Robson Sampaio e Luiz Costa conquistou a prata nos Jogos de Toronto, no Canadá, em 1976

01/09/2012
5236 Acessos
Imprimir
Primeira medalha do Brasil em Paralimpíadas
A dupla Robson Sampaio de Almeida e Luiz Carlos Costa conquistou a primeira medalha do Brasil em Paralimpíadas.

Nos Jogos de Toronto, no Canadá, em 1976 – a segunda edição do torneio em que a equipe verde e amarela esteve presente – os brasileiros ganharam a prata no Lawn Bowls, uma espécie de bocha na grama. Com a medalha, o país ficou na 31ª colocação geral da competição.

O cadeirante Robson Sampaio foi um dos iniciantes do movimento paralímpico no Brasil. Enquanto fazia tratamento hospitalar nos Estados Unidos, ele presenciou a prática esportiva de pessoas em cadeira de rodas, trazendo a modalidade adaptada para o país.

Bocha
A bocha praticada atualmente estreou no programa paralímpico em 1984, em Nova Iorque, nos EUA, com disputadas individuais no feminino e masculino. No ano de 1996, em Atlanta, também nos EUA, foi incluído o jogo de duplas.

Competem na bocha paralímpica atletas com paralisias cerebrais ou outras deficiências, como a distrofia muscular, que utilizam cadeira de rodas para locomoção. O objetivo do esporte é lançar bolas coloridas o mais perto possível de uma bola branca, chamada ‘jack’ (conhecida no Brasil como bolim).

É permitido o uso das mãos, dos pés ou de instrumentos de auxílio para competidores com grande comprometimento nos membros superiores e inferiores. As partidas ocorrem em quadras cobertas, planas e com demarcações no piso. Ganha o atleta que jogar as bolas o mais próximo do ‘jack’, acumulando maior pontuação.

Primeiro ouro do Brasil
A primeira medalha de ouro do Brasil em Paralimpíadas foi obtida nos Jogos de Stoke Mandeville, no Reino Unido, em 1984. O atleta Amintas Piedade conquistou o primeiro lugar no arremesso de peso. Nesta edição, o país ganhou ao todo sete medalhas douradas.


Fontes: Comitê Paralímpico Brasileiro, Ministério do Esporte e Turismo Adaptado
Redação: Fátima Pires