Primeira brasileira a cruzar o Atlântico em navegação solo

Viagem começou em 10 de julho de 2006, em Lisboa/ Portugal e terminou em 21 de agosto, em Fortaleza – CE

25/11/2012
6087 Acessos
Imprimir
Primeira brasileira a cruzar o Atlântico em navegação solo
Foto: Arisson Marinho-GOVBA - Viagem de Izabel Pimentel durou 42 dias e seis horas - Imagem: divulgação
A velejadora Izabel Pimentel, que entra para o RankBrasil, foi a primeira brasileira a cruzar o Oceano Atlântico em navegação solo, viagem que durou 42 dias e seis horas.

Com um Mini-transat de 21 pés (6,5 metros), a recordista percorrendo aproximadamente 6,4 mil quilômetros. Ela partiu no dia 10 de julho de 2006, de Lisboa, em Portugal e chegou a Fortaleza – CE, em 21 de agosto.

Natural de Aquidauana – MS, Izabel é técnica em Análise de Sistemas, mas preferiu o mar como opção de vida. Depois de ler o último parágrafo do livro ‘Cem Dias entre Céu e Mar’, de Amyr Klink, largou o emprego e foi morar em Paraty – RJ para realizar seu sonho de velejar pelo mundo.

Para sobreviver na cidade, informatizou vários estabelecimentos, entre farmácia, padaria, loja de ferragens e prefeitura. No ano de 1993, a recordista fez sua primeira viagem, com um caiaque, de Angra dos Reis – RJ até Parati. Para se aprofundar na área, estudou sozinha técnicas de vela e navegação.

De Parati vou para Portugal, onde trabalhou como analista em um banco inglês, com um ótimo salário. Depois de um tempo, a paixão pelo mar falou mais alto e perto de completar 40 anos de idade, pediu demissão e se aventurou na primeira travessia do Atlântico.

Quatro travessias
Em 2007 a recordista realizou sua segunda travessia do Atlântico e em 2008, foi a primeira brasileira a participar em solitário da Regata Oceânica Recife, em Fernando de Noronha. No ano seguinte, fez sua terceira travessia no Oceano. Ainda em 2009, foi a primeira brasileira a participar de uma regata transoceanica em solitário, a Transat 6,50, somando quatro travessias no Atlântico.

Momentos difíceis
Entre os momentos mais difíceis vividos por Izabel em alto mar está quando ela quase bateu de frente com um navio; as 90 horas sem contato com o mundo, já que seu celular via satélite estava sem crédito; além do episódio em que seu barco bateu em uma pedra, encalhou e teve o leme danificado.


Fontes: Globo Repórter, Wikipédia, Portal Terra e O Estado de S. Paulo
Redação: Fátima Pires