Curitibano quer quebrar o próprio recorde empinando bicicleta

Desafio acontece nesta quinta-feira (9 de novembro) na capital paranaense, com a presença de representantes do RankBrasil

08/11/2017
642 Acessos
Imprimir
Curitibano quer quebrar o próprio recorde empinando bicicleta
Para quebrar o próprio recorde brasileiro, Leandro Sekko deve empinar uma bicicleta por mais de oito horas / Foto: RankBrasil
O atleta paranaense da modalidade wheeling bike (manobras sobre uma só roda), Márcio Leandro Gay, mais conhecido como Leandro Sekko, promete superar o próprio recorde de Maior tempo empinando uma bicicleta. O desafio será realizado nesta quinta-feira (9 de novembro), no Ginásio do Tarumã de Curitiba, a partir das 8 horas da manhã.

Representantes do RankBrasil vão se revezar com o objetivo de acompanhar toda a prova. Para superar sua marca, o desafiante deve empinar o veículo por mais de oito horas, tempo em que obteve o título brasileiro no ano de 2008. Como critério anterior, ele pode ter no máximo quatro intervalos de cinco minutos cada.

Para a tentativa de superação, o curitibano se preparou fisicamente durante três meses, com treinos diários de três horas e no último mês foram até seis horas diárias. A preparação de Leandro Sekko tem a supervisão do preparador físico Carlos Tozo e do hipnoterapeuta, Edson Borgezan.

O atleta pratica este esporte desde os sete anos de idade. Ele se apresentou profissionalmente durante 17 anos com bicicletas e motocicletas em uma das melhores equipes de manobras radicais do país: Pro Tork Arte & Domínio. Já realizou em torno de 900 shows em 13 estados do Brasil, na Argentina e na Bolívia.

Atualmente o curitibano é empresário do setor de vestuário e tem uma legião de seguidores nas redes sociais, que acompanham sua trajetória radical. Mais de 50 mil seguidores no Facebook e quase 16 mil inscritos no seu canal no YouTube.

Quem quiser acompanhar o desafio de Leandro Sekko em Curitiba, o Ginásio de Esportes Professor Almir Nelson de Almeida – Ginásio Tarumã – fica na avenida Victor Ferreira do Amaral, 1749. A entrada é gratuita, mas para quem quiser contribuir serão arrecadados alimentos não perecíveis para doação a instituição filantrópica.