Maior poema do Brasil

Recorde pertence a Leandro Campos Alves, que escreveu ‘O Viajante’ com 2.022 estrofes e 10.875 versos

25/07/2018
3278 Acessos
Imprimir
Maior poema do Brasil
Livro ‘O Viajante’ tem 421 páginas e foi publicado em julho de 2017 pelas editoras Clubes de Autores e E-book-Saraiva / Foto: Rosilene Alessandra de Souza Alves
O mineiro Leandro Campos Alves entra para o RankBrasil em 2018 por ter escrito o Maior poema do Brasil. Publicado em julho de 2017, pelas editoras Clubes de Autores e E-book-Saraiva, o livro ‘O Viajante’ tem 421 páginas, possuindo 2.022 estrofes e 10.875 versos.

Natural de Liberdade (MG), o recordista reside em Caxambu (MG), atuando como funcionário público estadual. Segundo ele, quando começou o poema não tinha ideia do tamanho que ficaria. “Eu apenas transcrevia verso após verso, estrofe após estrofe”, lembra. “Ao chegar em 300 páginas percebi a dimensão do trabalho, uma vez que ainda tinha muita inspiração”, completa.

Leandro começou a compor no final de 2013 e concluiu em 2017. “Ao terminar a obra descobri que pela sua estrutura contextual se tratava de um poema épico, que além de seu potencial literário poderia fazer história pelo seu tamanho”, diz.

Segundo o poeta, a principal dificuldade para escrever é possuir dislexia. “Por isso afirmo que sou escritor por superação”, destaca. O mineiro lembra que o poema surgiu naturalmente, sem ter um objetivo maior. “Queria construir algo que cativasse o leitor, que aguçasse a curiosidade sobre as próximas páginas, com construção contextual objetiva, intrigante e apaixonante”.

O recordista comenta que quando compôs a obra, ele se distanciou do mundo literalmente, entrando em um estado de paz, concentração e harmonia: “Este poema foi um dos maiores presentes que ganhei de Deus, pois Ele conduziu meus pensamentos e minha inspiração”.

Conforme o escritor, este recorde é a validação de um grande trabalho. “É um marco na minha história e na da Literatura Brasileira”, afirma. Na oportunidade, ele agradece ao RankBrasil pela seriedade com que analisou a obra, garantindo a veracidade do título de Maior poema do país.

Leandro também agradece a Deus por conseguir este reconhecimento. “Ainda gostaria de agradecer a minha esposa e meus dois filhos Braian e Brendow, que são o meu alicerce, e a minha família e amigos. Aos leitores deixo o convite para viajar nos sonhos deste poeta”.

‘O Viajante’
Na obra, um jovem em suas andanças se torna ouvinte para os desabafos de muitas pessoas, as quais revelam histórias de vidas, algumas tristes, outras radiantes e muitas intrigantes. “Parte do livro foi composta por ficção, mas algumas histórias são verdadeiras, experiências que eu mesmo vivenciei”.

De acordo com o recordista, ‘O Viajante’ supera o ‘Os Lusíadas’ de Camões, composto em 1556 com 1.102 estrofes e 8.816 versos. “Minha obra também ultrapassa o poema épico da atualidade ‘História da Cidade Maravilhosa’, do poeta e historiador Sérgio Gramático Júnior, que foi publicado em 2015 com mais de 9.700 versos.

História de um recordista
Leandro começou a escrever ainda criança, compondo um poema para seu primeiro amor, experiência sem sucesso devido aos erros de português. “Prometi nunca mais escrever”, lembra. Por obrigação, no quinto ano escolar precisou compor outro poema, ganhando o segundo lugar em sua sala de aula.

Anos depois, o mineiro fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para tentar uma formação superior e surpreendeu a todos ao atingir 740 pontos na redação – mesmo após quase vinte anos afastado dos estudos e com dislexia. “A partir deste resultado tudo começou a mudar”, conta.

Movido pelo livro ‘O caçador de pipas’, ele escreveu sua visão sobre a história do Cristianismo, totalizando seis volumes ainda não publicados por serem polêmicos ao falar da realidade da fé. Depois disto, Leandro compôs e lançou o romance ‘Instinto de Sobrevivência’, com a ajuda de sua esposa Rosilene e da amiga e incentivadora Nádia Gonçalves, a qual fez a correção de seus primeiros livros a serem publicados.

O maior motivo de escrever, segundo o recordista é deixar um exemplo de vida e superação aos seus filhos e descendentes. “Quero que eles tenham orgulho deste pai e amigo, mostrando que com fé e trabalho tudo é possível”, destaca. “Ao mundo quero deixar minha humilde história: um jovem que sofria bullying na escola e na vida, por não saber escrever e falar direito, mas superou limites, conquistando um recorde brasileiro”, completa.

Além do poema ‘O Viajante’ e do romance ‘Instinto de Sobrevivência’, Leandro publicou a obra ‘O Lamento de José’, o livro de poemas e crônicas ‘Metáforas da Vida’, e os livros de bolso ‘Sonhos’ e ‘Revelações’. Ele também organizou algumas antologias e participou de outras.