Capital catarinense do morango pretende realizar maior desfile de microtratores

Tentativa de recorde vai acontecer durante a 22ª Festa do Morango de Taquaras, em Rancho Queimado (SC)

25/11/2013
4924 Acessos
Imprimir
Capital catarinense do morango pretende realizar maior desfile de microtratores
Moradores costumam utilizar trajes especiais que retratam influência gaúcha e alemã na cidade. Foto: Divulgação
A Associação Comunitária do Distrito de Taquaras e os produtores de Rancho Queimado (SC), a pouco mais de 60 km de Florianópolis, pretendem entrar para o RankBrasil em 2013 com o Maior desfile de microtratores do país. Eles querem estabelecer o recorde durante a 22ª Festa do Morango que será realizada de 29 de novembro a 1º de dezembro no Parque do Morango. Estima-se a participação de 50 máquinas.

Tradicional, o evento que acontece desde 1992 conta com a participação da comunidade e dos produtores da fruta na região. Para possivelmente certificar o recorde, os fiscais do RankBrasil, Iolete Cadari e Luciano Cadari estarão no local acompanhando o desafio. O desfile começará em frente à Escola Estadual Roberto Schütz, no domingo, às 10h30 e segue para o local da celebração.

A organização do evento estima um público em torno de 10 mil pessoas durante os três dias de comemoração. De acordo com Maria Helena Teixeira Diniz, membro do Conselho Comunitário da Associação Comunitária do Distrito de Taquaras, a festa é muito aguardada pelas pessoas. “Assim como as crianças normalmente esperam o Natal, aqui a população espera a Festa do Morango. Até brinco que é a síndrome da festa: nos dias que antecedem só se fala disso. Tomou uma grande proporção”.

Em 2001, a cidade recebeu o título de capital catarinense do morango por meio de uma lei criada pelo deputado César Souza. A região é responsável por 60% da produção do fruto em Santa Catarina. Atualmente, segundo produtores, 80% da economia do município depende do cultivo.


Microtratores
Os microtratores possuem um significado importante na vida dos moradores da região. Segundo Maria Helena, a substituição dos cavalos pelas máquinas é um marco no tempo e história da comunidade. “Durante estes anos nós fizemos muitos desfiles com carroças e charretes. Agora, está cada vez mais difícil utilizar estes veículos porque foi praticamente abolido o trabalho animal na região. Utilizamos mais trator, tobatas e esta substituição também é reflexo das melhores condições que os produtores têm hoje em dia”.


Valorização da cultura
O objetivo principal da festa é valorizar a cultura da cidade e seus produtores. Para Maria Helena, a comemoração que começou como uma forma de evitar o êxodo procura também incentivar os agricultores. “Queremos trazer uma alternativa economicamente viável para o agricultor e evitar que as pessoas saiam do município. Em 1990, o Censo tinha uma previsão de que a cidade teria a menor população do Brasil nos próximos anos. Foi com a festa e com o morango que conseguimos reverter isso”.

Ainda de acordo com ela, o final dos anos 80 e início da década de 90 foi uma época de “vacas magras”, já que pequena região não favorecia muito a plantação e a criação de gado e os colonos conseguiam produzir apenas para se sustentar. “A agricultura era voltada para subsistência. Atualmente estudos comprovam que nossa ideia deu certo. Conseguimos manter as pessoas na cidade e melhorar as condições financeiras do local. Os produtores são os protagonistas da nossa história. Hoje, por exemplo, sou apenas consumidora de morango”, brinca.

Programação
Além do desfile, a Festa do Morango conta com várias atrações como apresentações de grupos folclóricos, shows, casa do Papai Noel, feiras gastronômicas e de artesanato. Você encontra a programação completa no site.

Redação: RankBrasil

Algumas citações na mídia:
Água Boa News
Colíder News
Clic News
News Rondônia