Maior imagem produzida com lixo eletrônico

Medindo 24 m por 25 m, estudantes da cidade de Presidente Prudente (SP) batem recorde brasileiro

09/06/2018
1220 Acessos
Imprimir
Maior imagem produzida com lixo eletrônico
Medindo 24 m por 25 m, a imagem do rosto de um aluno foi feita com lixo eletrônico e bateu recorde junto ao RankBrasil / Foto: Bruno José Garcia Carnelóss
Alunos das escolas municipais João Franco de Godoy e José Carlos João, de Presidente Prudente (SP), bateram recorde junto ao RankBrasil pela Maior imagem produzida com lixo eletrônico. Através do programa Cidadescola, eles reproduziram o rosto de um dos estudantes, com 24 m por 25 m.

O desafio aconteceu em 09 de junho de 2018, no Parque do Povo, com a orientação do professor Itamar Xavier de Camargo. Para criar o desenho foi utilizado todo tipo de lixo eletrônico arrecadado no 11° mutirão, entre TVs, computadores, pilhas e baterias, celulares, rádios, disquetes, fitas VHF e teclados de computadores. Os estudantes usaram até ventiladores, micro-ondas e eletrodomésticos inutilizáveis.

De acordo com Itamar, que é professor de artes do programa Cidadescola, a ideia de criar a imagem surgiu ao desenvolver um projeto utilizando lixo eletrônico com alunos da rede municipal de ensino. “Passamos a produzir imagens com objetos que não funcionavam mais entre televisões e computadores, tendo como referência o artista Vik Muniz, que cria imagens com lixo retirado do aterro sanitário do Rio de janeiro”, conta.

O professor comenta que a escolha da imagem também foi algo semelhante ao que o artista Vik faz em suas obras, retratando os próprios trabalhadores do aterro. “Então resolvi reproduzir o rosto de um aluno, para representar todos os demais envolvidos na ação”.

A maior dificuldade, segundo Itamar, foi tornar a imagem reconhecível por se tratar de um retrato. “O desenho foi produzido com cal de pintura no dia anterior, para que no mutirão as pessoas pudessem saber exatamente onde colocar os materiais eletrônicos inservíveis”, lembra.

O desenho com cal de pintura demorou cerca de oito horas para ser feito. No dia do desafio foram mais oito horas, com a ajuda de 25 alunos e aproximadamente 200 voluntários, entre familiares dos estudantes, universitários, funcionários da Fundação Inova, professores, servidores públicos municipais e representantes da 2º Igreja Nova Jerusalém. “Depois que o retrato ficou pronto gastamos mais duas horas para remoção dos materiais e destinação para a empresa responsável pelo descarte”.

Conforme o professor, a conquista deste título junto ao RankBrasil é uma motivação para continuar o trabalho, com a certeza de que cada um pode fazer a sua parte, tornando o mundo um lugar melhor para se viver. “É também uma possibilidade de levar uma mensagem: temos um único planeta para morar e somos responsáveis pelo que fazemos dele, todos têm a sua obrigação e o reconhecimento do recorde carrega este significado”.

Cidadescola e mutirão de lixo eletrônico
A Cidadescola é um programa de educação integral, que tem por objetivo formar o cidadão em todas as áreas, mostrando que o mundo é um universo infinito de possibilidades e a responsabilidade de cuidar deste mundo é de todos.

O mutirão para coleta de lixo eletrônico acontece anualmente em Presidente Prudente, sendo que em 2018 foi realizada a 11ª edição. Este ano o projeto arrecadou 60 toneladas e a atividade também contou com outros voluntários que ajudaram na arrecadação e separação dos materiais por categoria.

Sobre a importância do mutirão para o meio ambiente, o professor Itamar destaca que este lixo não pode ser descartado como a maioria dos materiais que consumimos. “Os eletrônicos possuem componentes que contaminam o solo e boa parte deles é formada por plástico, que leva anos para se decompor”, finaliza.
Tags: