Região brasileira mais fraca no campo magnético da Terra

Faixa encontrada na costa do Brasil entra para o Livro dos Recordes

07/06/2008
16976 Acessos
Imprimir
Região brasileira mais fraca no campo magnético da Terra
Uma faixa encontrada na costa do país entra para o RankBrasil com o recorde de Região mais fraca no campo magnético da terra, sendo 30% inferior à média de todo o planeta.

Esse fenômeno é conhecido por Anomalia Magnética do Atlântico Sul (SAMA – South Atlantic Magnetic Anomaly). Um estudo realizado pelo IAG (Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas), da Universidade de São Paulo, mostra que o fluxo reverso no núcleo da terra é responsável pela ocorrência.

Isto acontece quando o campo magnético se comporta fora dos padrões, e nesta região existem pontos de encontro do manto e do núcleo, onde ocorre o fenômeno, refletindo na anomalia.

Em 1940 tiveram início as construções de mapas de campos magnéticos e a SAMA começou a ser detectada. O que ocorre na região é que existe uma área onde a intensidade magnética é cerca da metade esperada para as regiões de igual latitude.

O normal seria que as forças de maior intensidade acontecessem nos pólos e as mais baixas, nas proximidades da linha do Equador. A Anomalia Magnética do Atlântico Sul tem menor intensidade que na região equatorial.

Estudos mostram ainda que a anomalia detectada na área está em constante movimento: há 400 anos ela era localizada no sul do continente africano e apresentava intensidade maior. Atualmente, o Brasil se encontra dentro da área de abrangência da anomalia e seu centro fica no país vizinho, o Paraguai.

Causas da SAMA
>Comportam-se como janelas, falhas magnéticas que protegem a Terra do fluxo de partículas do Sol e do universo.
>Nesta região, os astronautas ficam mais expostos à radiação.
>Podem ocorrer interferências nas ondas de rádio.
>Problemas na transmissão de energia elétrica.
>Quando ocorrem explosões solares, a anomalia absorve mais partículas que outras localidades.


Fonte: USP
Redação: Raquel Susin
Revisão: Fátima Pires