Maior produtor de sisal do mundo

País produz aproximadamente 245 mil toneladas da fibra vegetal por ano e o Estado da Bahia é responsável por mais de 95%

09/10/2012
16774 Acessos
Imprimir
Maior produtor de sisal do mundo
O Brasil é o maior produtor de sisal do mundo, com aproximadamente 245 mil toneladas de fibra vegetal por ano.

Da família das cactáceas e com o nome científico Agave sisalana, o sisal é cultivado em regiões semiáridas, por ser resistente à aridez e ao sol intenso. A fibra do sisal, que é extraída do beneficiamento das folhas, é utilizada principalmente para fazer tapetes e cordas.

A Bahia corresponde a mais de 95% da produção nacional e cerca de 700 mil pessoas vivem direta ou indiretamente do sisal. O cultivo se estende por aproximadamente 75 municípios, com área total de 190 mil hectares. No Estado também se encontra o maior polo produtor e industrial do sisal do mundo, que fica na cidade de Valente.

Além de maior produtor mundial, o Brasil é o maior exportador da fibra. Estima-se que mais de 80% da produção nacional é exportada para mais de 50 países, sendo os principais importadores os Estados Unidos, China, México e Portugal.

Depois da Bahia, destacam-se no cultivo da planta os Estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. Na lista dos países que mais produzem o sisal também estão os da África Oriental, entre eles, Tanzânia, Quênia e Uganda.

Importância e dificuldades
Apesar da importância do sisal não apenas para a Bahia, mas para toda região semiárida do Nordeste – como uma das poucas opções econômicas – o desempenho de sua produção vem sofrendo nos últimos anos, sobretudo pelo fato de ser aproveitado apenas de 3 a 4% do total da planta, referentes à porção da fibra.

O declínio na produtividade também se deve ao baixo valor pago pela fibra vegetal, à competição com os fios sintéticos, ao alto custo de produção, à falta de máquinas modernas para a colheita e ainda aos longos períodos de estiagem (falta de chuva).

Origem e implantação no Brasil
O sisal é uma planta originária do México. No Brasil, as primeiras mudas foram trazidas provavelmente da Flórida, através de uma firma americana. O cultivo da planta foi difundido no início de 1900, inicialmente no Estado da Paraíba e somente no final da década de 30, na Bahia.

Transformação em fios naturais
O ciclo de transformação do sisal em fios naturais começa aos três anos de vida da planta, ou quando suas folhas atingem cerca de 140cm de comprimento, podendo resultar em fibras de 90 a 120cm. As folhas são cortadas a cada seis meses durante a vida útil da planta, que é de seis a sete anos. O sisal apresenta a fibra vegetal mais dura que se conhece.

Utilização do sisal
Os principais produtos são os fios biodegradáveis utilizados em artesanato, no enfardamento de forragens, cordas de várias utilidades e cordéis. O sisal também é usado na produção de estofos, pasta para indústria de celulose, produção de tequila, tapetes decorativos, remédios, biofertilizantes, ração animal, adubo orgânico e sacarias. As fibras podem ainda ser utilizadas na indústria automobilística, substituindo a fibra de vidro.

Benefícios à natureza
A utilização da fibra do sisal em qualquer produto traz benefícios ao meio ambiente. Quando descartada na natureza, em alguns meses esta fibra se torna um fertilizante natural. Já a fibra sintética demora até 150 anos para se decompor no solo.


Fontes: Embrapa, Wikipédia, Companhia Sisal do Brasil e Almanaque do Campo
Redação: Fátima Pires