Primeira casa construída com material de piso elevado

Franklin Lopes de Freitas, de Belo Horizonte - MG, é o novo recordista do RankBrasil

30/03/2010
10197 Acessos
Imprimir
Primeira casa construída com material de piso elevado
Arquivo pessoal - Franklin Lopes de Freitas
O micro-empresário de 55 anos, Franklin Lopes de Freitas, entra para o RankBrasil. Ele fez a Primeira casa construída com material de piso elevado, com 56 metros quadrados de área construída, divididos em seis cômodos, em um terreno de aproximadamente 800 metros quadrados.

A casa idealizada por Franklin, que assina com o pseudônimo de Nilknarf, não ganhou tijolos. Foi feita com piso elevado, ou seja, material em aço e concreto usado normalmente como assoalho, mas que virou paredes, teto e muro.

A construção foi erguida sob uma estrutura de longarina, espécie de dobradiça, parafusada com três metros de altura. O piso foi fixado a 25 cm do chão e suporta até 1.280 kg de carga distribuída sobre ele. Também foi construído um telhado artesanal para reter o calor, já que as chapas de aço esquentam o ambiente, principalmente na época de calor.

A casa diferente, como é conhecida popularmente, é uma obra de arquitetura espontânea, totalmente ecológica, erguida com materiais reaproveitados e reciclados. As chapas de aço que foram utilizadas possuem 2,5 cm de espessura e foram adquiridas em ferros-velhos da cidade de São Paulo. O custo aproximado da casa ficou em R$ 15.000,00.

A pintura da fachada foi baseada nas cores brasileiras, com desenho de uma bandeira no formato de uma flor, para passar aos visitantes um sentimento nacionalista. Além de ser um recorde, a casa se tornou um importante espaço cultural, educativo e principalmente social.

Na casa certificada pelo RankBrasil, funciona atualmente um Topa Tudo da Construção Civil, que é 100% beneficente: o lucro das vendas é repassado na íntegra para projetos sociais. O recorde tem um grande valor ecológico, pois o material utilizado já foi encontrado em rios e mares. A ideia ganhou maiores proporções na comunidade e já existem muros e divisões feitos com o mesmo material, além de portões, grades, portas e janelas.

O Livro dos Recordes Brasileiros aprova esta idéia ecológica e parabeniza a iniciativa.

Redação: Raquel Susin