Primeira brasileira a ir para a estratosfera

Recorde pertence à paulistana Dina Barile, que foi a 16.700 metros da Terra em um caça MIG 29

13/08/2019
2299 Acessos
Imprimir
Primeira brasileira a ir para a estratosfera
Dina Barile foi a 16.700 metros da Terraem um caça MIG 29 / Foto: Arquivo recordista
A paulistana Dina Barile entra para o RankBrasil em 2019 pelo recorde de Primeira brasileira a ir para a estratosfera. O voo aconteceu em 10 de novembro de 2015, em um caça MIG 29. Ela foi a 16.700 metros da Terra e o percurso de ida e volta teve duração de uma hora e 20 minutos.

Dina fez diversas manobras de combate e foi submetida a uma força 7G (sete vezes o peso do seu corpo). Para isso, a recordista se preparou durante seis meses com uma médica especializada em esportes radicais, tomou vitaminas, passou por vários exames e fez academia, apesar de detestar este tipo de atividade física.

A viagem foi organizada pela empresa do ministro brasileiro Marcos Pontes. Para chegar à estratosfera, a paulistana precisou ir primeiramente até a Rússia. “Da estratosfera só é possível ver a curvatura da Terra, não sendo possível observar a superfície toda. Mas só isso já é uma grande emoção”, destaca Dina.

A recordista conta que sempre sonhou em ir à Lua ou ser astronauta. “Queria ver a Terra de longe, redondinha e azul. Porém como não poderia ser uma astronauta, pensei em fazer um daqueles voos comerciais que estão sendo preparados para acontecer nos próximos anos”, comenta.

Ela buscou informações, mas o preço era altíssimo. “Mesmo nesses voos é possível chegar até 100 km da Terra, enquanto para ver o planeta inteiro é necessário se distanciar ao menos 400 km”, diz. Continuando as pesquisas, Dina descobriu a empresa do ministro Marcos Pontes, que segundo a paulistana, proporciona algumas aventuras diferenciadas.

“Descobri esse voo para a estratosfera, que cabia no meu orçamento e juntamente realizei outro sonho: voar num caça e conciliar tudo com um voo de gravidade zero”, comenta. Conforme a recordista, chegar à estratosfera foi realmente emocionante. “Um momento com direito a lágrimas, mas com um gostinho de quero mais”, destaca.

Dina conta que a principal dificuldade para o desafio foi se preparar fisicamente. “Eu havia engordado e tinha a pressão alta. Foram seis meses de preparação intensa, fazendo exercícios e tomando suplementos vitamínicos”.

A paulistana lembra que sua médica forneceu um relatório dizendo que ela estava apta a manobras que fossem submetidas no máximo a uma força 4G. “Porém o piloto me levou ao limite, numa força 7G, com a minha inteira concordância”, afirma.

Conforme Dina, que atualmente tem 63 anos de idade e é editora do Portal SPOT LIFE, a conquista deste título junto ao RankBrasil significa um reconhecimento dado por uma entidade que homologa recordes brasileiros, com credibilidade nacional e internacional, o que não deixa margem a dúvidas.
“A surpresa foi ver o espaço completamente negro. Assim, o must é observar dois opostos: do lado esquerdo, a curvatura da Terra e suas cores e do lado direito a completa escuridão”, finaliza.