Primeiro estrangeiro eleito prefeito de uma capital no Brasil

Empresário Carlos Franco Amastha, que é naturalizado brasileiro, vai governar a cidade de Palmas - TO, nos próximos quatro anos

08/10/2012
5545 Acessos
Imprimir
Primeiro estrangeiro eleito prefeito de uma capital no Brasil
O colombiano Carlos Franco Amastha, que entra para o RankBrasil, é o primeiro estrangeiro eleito prefeito de uma capital no país. Naturalizado brasileiro, ele foi escolhido pelo povo para governar Palmas, no Tocantins, durante o pleito municipal de 2012.

Candidato do Partido Progressista (PP), o colombiano obteve 59.680 (49,65%) dos votos válidos, contra 51.979 (43,24%) de Marcelo Lelis, do Partido Verde (PV), que ficou em segundo lugar. O prefeito foi definido no primeiro dia das eleições, uma vez que a cidade não tem segundo turno.

Nascido em Barranquilla, no norte da Colômbia, e com 51 anos de idade, o recordista é empresário do ramo de shopping center. Ele chegou ao Brasil há 29 anos, para atuar como gerente de uma empresa argentina de cursos de inglês. Após se estabelecer inicialmente em Curitiba – PR, onde montou seu próprio negócio, mudou-se para Palmas, local em que vive há 12 anos.

Na capital de Tocantins, por suas atividades empresariais, costumava participar de reuniões com autoridades. Por suas ideias progressistas, recebeu convite para ser candidato. Este ano, ele disputou as eleições pela primeira vez, mostrando talento no meio político.

Entre as propostas enquanto candidato, Amastha prometeu a destinação de 30% do orçamento municipal para a educação básica e a implantação do Programa Palmas Limpa, que inclui planos de limpeza urbana, gestão de resíduos sólidos e coleta seletiva.

Quarto candidato mais rico do país
De acordo com as declarações encaminhadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o colombiano aparecia como o quarto candidato a prefeito mais rico do país. Ele perdia apenas para o empresário do ramo de metalúrgica, Mauro Mendes, de Cuiabá – MT, o mineiro Marcio Lacerda, de Belo Horizonte, e Reinaldo Azambuja, de Campo Grande – MS.

Amastha declarou R$ 18,15 milhões, podendo gastar até R$ 5 milhões na campanha. Ele é dono de três shoppings e um veículo sedan Maserati Quattroporte, desenvolvido em parceria com a Ferrari e avaliado em R$ 660 mil. Até 02 de agosto, o candidato havia declarado a utilização de apenas R$ 300 mil de recursos próprios.

Marketing brilhante
No início da disputa, o novo prefeito surgiu nas pesquisas com apenas 1% das intenções de voto. Sua ascensão foi possível graças à habilidade do colombiano em usar o horário eleitoral para emplacar o discurso de que o morador de Palmas seria ‘atendido como cliente’ pelos funcionários da prefeitura.

Filho de um médico comunista, o colombiano fez fortuna no Brasil. Apesar da riqueza, seu marketing de campanha emplacou em um estilo de candidato do povo, que sempre aparecia na televisão vestindo camisa xadrez.

Durante os showmícios, o colombiano também se mostrou um pé de valsa, tirando as eleitoras para dançar forró e também caindo no funk. Ele ainda ganhou apoio do movimento hip hop da capital, divulgando em sua campanha alguns passos que aprendeu do gênero musical.

Com uma brilhante atuação, em meados de agosto ocupava a terceira posição, com 12% das intenções de votos, chegando ao segundo lugar no final do mesmo mês, com 26%. A liderança foi gradual, confirmando sua preferência pela população durante a votação.

Realização do segundo turno
O segundo turno das eleições acontece somente se a cidade possuir mais de 200 mil eleitores. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Palmas tem 228 mil habitantes e, conforme dados do Tribunal Regional Eleitoral de Tocantins, são cerca de 150 mil eleitores.


Fontes: Correio do Brasil, UOL Notícias, Último Segundo e Revista Exame
Redação: Fátima Pires