Indaiatuba é a melhor cidade brasileira para se viver, diz pesquisa

Estado de São Paulo lidera ranking de desenvolvimento municipal. Em segundo lugar aparece São José do Rio Preto, seguido por Itatiba

03/12/2012
21607 Acessos
Imprimir
Indaiatuba é a melhor cidade brasileira para se viver, diz pesquisa
A cidade de Indaiatuba – SP é a melhor cidade do Brasil para se viver, de acordo com pesquisa de desenvolvimento municipal, realizada pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), baseada em dados de 2010.

Com aproximadamente 311 km², Indaiatuba está localizada a cerca de 100 km da capital e tem população de 209.859 habitantes, conforme estimativa 2012 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O ranking dos maiores índices de qualidade de vida, divulgado no sábado (1°), é liderado por municípios do Estado de São Paulo. Em segundo lugar aparece São José do Rio Preto, e Itatiba ocupa a terceira colocação.

A pesquisa levou em conta três áreas: emprego e renda, educação e saúde. Os resultados mostraram que, das 645 cidades de São Paulo, 173 apresentaram alto desenvolvimento e 73 municípios paulistas ficaram entre as 100 com maior índice.

Melhores cidades para
ser viver no Brasil
lugar cidade UF
1°. Indaiatuba SP
2°. São José do
Rio Preto
SP
3°. Itatiba SP
4°. Amparo SP
5°. Barueri SP
6°. Ribeirão Preto SP
7°. Marília SP
8°. Louveira SP
9°. Jundiaí SP
10°. Paulínia SP
Regiões
Dos 500 municípios brasileiros com melhores condições de vida, 90,8% estão nas regiões Sul e Sudeste, enquanto dos 500 piores, 96,4% estão nas regiões Norte e Nordeste. Por outro lado, a região Nordeste foi a que mais cresceu no país em dez anos. O ranking completo pode ser acessado clicando aqui.

O índice Firjan
O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) é um estudo anual que acompanha os municípios do Brasil, com base em estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde. É similar ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), realizado periodicamente pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Redação: Fátima Pires