Bebida alcoólica mais tradicional do país

Relatos mostram que a fabricação começou no início do século 16. Atualmente existem no Brasil mais de 40 mil produtores da bebida

24/02/2013
9768 Acessos
Imprimir
Bebida alcoólica mais tradicional do país
Fabricação da cachaça começou no início do século 16 - Foto: Acervo RankBrasil
A cachaça, que entra para o RankBrasil em 2013, é a Bebida alcoólica mais tradicional do país.

A história do destilado feito à base da cana-de-açúcar remonta à colonização e à atividade açucareira, com grande importância cultural, social e econômica para o Brasil.

Relatos históricos mostram que no início do século 16 já existia a fabricação da bebida no Rio de Janeiro e na Bahia: a cana não utilizada na produção de açúcar era colocada para fermentar e consumida alambicada pelos escravos, isto é, esquentada e filtrada.

Em Minas Gerais – Estado hoje com tradição na arte da cachaça artesanal – a produção começou mais tarde, na segunda metade do século 17, com fabricação no fundo de quintal. Na época, Minas era a província mais populosa, inclusive de escravos.

Inicialmente, o destilado era consumido somente pelos escravos e nativos. Entretanto, na medida em que sua popularização ocorria, os colonizadores começaram a substituir as caras bebidas importadas da Europa pelo consumo da popular e acessível cachaça.

No ano de 1994, a cachaça foi definida como produto cultural do Brasil. Em 2012, os Estados Unidos reconheceram a bebida como produto tipicamente brasileiro, atualmente exportado para vários países do mundo. O coquetel mais famoso feito com cachaça é a caipirinha, que também leva açúcar, gelo e limão.


História
Com a queda da venda da bagaceira – uma aguardente produzida pelos portugueses com o bagaço da uva – e o medo da concorrência, a partir de 1635 a Coroa emitiu várias leis proibindo a produção, comercialização e até o consumo da cachaça. Sem resultados, a decisão foi taxar o destilado, com vários impostos.

Revolta da Cachaça
No ano de 1660, os produtores fluminenses se rebelaram contra os impostos e tomaram o poder no Rio de Janeiro por cinco meses, eliminando taxas e liberando o comércio da bebida. O movimento, que ficou conhecido como a Revolta da Cachaça, abriu caminho para a sua legalização, que ocorreu em 13 de setembro de 1661.

Dia Nacional da Cachaça
A data é comemorada em 13 de setembro, em alusão à Revolta da Cachaça, que aconteceu no ano de 1660. O dia foi instituído pelo Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), em 05 de junho de 2009, durante a Expocachaça, feira realizada em Belo Horizonte – MG.

A bebida em números
Conforme dados do Ibrac referentes a 2011, atualmente existem mais de 40 mil produtores da bebida no país, sendo que 99% são micro ou pequenas empresas. Por ano, o Brasil produz 1,2 bilhão de litros de cachaça, o que corresponde a aproximadamente 6,29 litros por brasileiro.

Ainda segundo o Instituto, são mais de 40 mil marcas do produto, o setor gera cerca de 600 mil empregos diretos e indiretos e a cachaça é exportada para mais de 60 países. Em 2011, a exportação atingiu 9,8 milhões de litros da bebida, e os principais compradores foram Alemanha, Bolívia, Paraguai e Portugal.

Nomes curiosos
Apreciada no país inteiro, a cachaça ganhou vários sinônimos, com influência dos regionalismos: caninha, branquinha, aguardente, pinga, danada, abençoada, entre outros. Há também os nomes curiosos de marcas, como Chora Pau, Amansa Corno, João Andante, Atrás do Saco, Kara de Pau e Tomba Carro.

Temas de músicas
Por sua importância na cultura do Brasil, a cachaça já foi tema de várias músicas, entre elas, ‘Cachaça não é água’, uma marchinha de Carnaval; ‘Moda da pinga’, de Inezita Barroso; ‘Pinga ni mim’, de Sérgio Reis; ‘Pinga’, do Pato Fu; e ‘Cátia catchaça’, do Latino.

Museu da Cachaça
O Museu da Cachaça de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte – MG, ilustra toda a história da bebida. O acervo possui mais de 1,5 mil exemplares de diversas marcas. Entre as mais curiosas está a cachaça Pelé Caninha, dedicada ao jogador de futebol Pelé, pela conquista da Copa de 1958.

Coleção
A Maior coleção de cachaça do Brasil é de Messias Soares Cavalcante, da cidade de Alfenas – MG. O recorde foi conquistado junto ao RankBrasil em 2009, com um total de 12.800 exemplares, fabricados por 6.623 produtores, de 1.739 cidades, de 18 países.


Fontes: Instituto Brasileiro da Cachaça, Wikipédia, UOL Economia e G1 Minas Gerais
Redação: Fátima Pires