Bendegó foi o maior meteorito encontrado no Brasil

Com 5,36 toneladas e mais de dois metros de comprimento, corpo celeste foi localizado no ano de 1784, no sertão da Bahia, onde atualmente fica o município de Uauá

18/02/2013
3794 Acessos
Imprimir
Bendegó foi o maior meteorito encontrado no Brasil
Meteorito Bendegó está exposto no Museu Nacional do Rio de Janeiro - Imagem: divulgação
O Maior meteorito já encontrado no país, que entra para o RankBrasil em 2013, recebeu o nome de Bendegó e tem medidas impressionantes: 5,36 toneladas e mais de dois metros de comprimento.

A pedra foi localizada em 1784, pelo menino Domingos da Motta Botelho, que pastoreava o gado em uma fazenda próxima à cidade de Monte Santo, no sertão da Bahia – onde hoje fica o município de Uauá. Quando o governador baiano soube da notícia, ordenou que o meteorito fosse levado até Salvador.

Como os bois não conseguiram carregar tanto peso, o corpo celeste despencou e caiu no leito seco do Riacho Bendegó (a 180 metros do local original), ficando mais de um século abandonado, até que pesquisadores franceses identificaram a importância científica da descoberta.

A camada de oxidação e a parte perdida da porção inferior do meteorito indicaram que ele havia caído há milhares de anos. Feita de ferro, níquel e outros elementos químicos, desde 1888 a pedra se encontra no Museu Nacional, graças ao então imperador D. Pedro II, que providenciou sua remoção para o Rio de Janeiro.



Réplicas em tamanho real
Há quatro réplicas da pedra recordista, em tamanho real. A primeira, em madeira, está no Palácio da Descoberta, em Paris, na França. A segunda, de gesso, fica no Museu do Sertão, próximo ao lugar onde o meteorito foi encontrado. Há ainda uma no Museu Geológico da Bahia, em Salvador, e outra no Museu Antares de Ciência e Tecnologia, em Feira de Santana, também na Bahia.

Maior meteorito do mundo
O Hoba é o maior meteorito encontrado na Terra (em um único fragmento) e também o maior objeto de ferro maciço de ocorrência natural conhecido pelo homem. Com mais de 60 toneladas e 2,7 metros de comprimento, foi descoberto em 1920, na Namíbia, país da África. Estima-se que o corpo celeste caiu há 80 mil anos e por seu enorme tamanho, até hoje permanece no local de origem de sua queda.

Casos recentes
Em 15 de fevereiro de 2013, coincidentemente, dois corpos celestes chamaram a atenção. Na Rússia, uma rocha de 12 metros e cerca de 10 toneladas se desintegrou em pequenas partes entre 30 e 50 quilômetros da superfície terrestre, atingindo o país. Apesar de muitos feridos, ninguém ficou em estado grave porque a pedra se dividiu em minúsculas partes.

No mesmo dia, mas sem relação, um asteroide passou pela Terra, o que havia sido previsto por cientistas. Batizado como DA14-2012, pesa 130 mil toneladas e tem 45 metros de diâmetro, o equivalente a quase metade de um campo de futebol. O corpo celeste passou a menos de 30 mil quilômetros do planeta, distância considerada pequena.

Extinção dos dinossauros
Embora não haja consenso, a hipótese mais aceita pelos cientistas atualmente é que, há cerca de 65 milhões de anos, a extinção dos dinossauros foi causada pela queda de um gigantesco asteroide (embora isto dificilmente aconteça), onde hoje é o México.

De acordo com estudos, a pedra tinha 10 quilômetros de diâmetro e teria caído sobre a superfície da Terra após um choque com outro corpo celeste, provocando a extinção da maioria das espécies que habitavam o planeta naquele período.

Diferenças entre corpos celestes
- Meteoro: corpo sólido de ferro ou rocha, que entra na atmosfera produzindo luminosidade. Não é o nome do corpo em si, mas do rasto luminoso que deixa no céu, devido à combustão causada pelo atrito com o ar.
- Meteorito: é o nome dado quando o meteoro atinge a superfície terrestre (na água ou em terra firme). Geralmente possuem massa maior, por isso não se desintegram totalmente antes de chegar à Terra. Diariamente caem no planeta toneladas de meteoritos, mas em geral, são corpos pequenos, que cabem na palma da mão e não oferecem perigo.
- Meteoroide: corpo sólido de ferro ou rocha de pequeno porte, que se movimenta em torno do Sol, mas não chega a atingir a órbita da Terra.
- Asteroide: corpo sólido de ferro ou rocha que possui massa e tamanho bem maiores que dos meteoritos, mas menores que os dos planetas. Possuem órbita definida em torno do Sol e não costumam atingir a Terra.
- Cometa: corpos celestes de tamanho pequeno, que realizam deslocamentos irregulares em torno do Sol. Basicamente, são formados por gelo e rocha e vistos como uma estrela de cauda.


Fontes: Folha UOL, Jornal da Globo, Jornal Correio e Wikipédia
Redação: Fátima Pires