Primeira negra a ocupar cargos de senadora e governadora


Recordista chegou ao Senado Federal em 1994 e em 2002 assumiu o comando do Estado do Rio de Janeiro

12/03/2013
17727 Acessos
Imprimir
Primeira negra a ocupar cargos de senadora e governadora
Recordista Benedita da Silva rompeu barreiras na política - Imagem: Jornal Grande Bahia/Alexandra Martins
A deputada federal Benedita da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), que entra para o RankBrasil em 2013, rompeu barreiras e se tornou a Primeira negra a ocupar cargos de senadora e governadora no país.

Formada em Serviço Social, sua trajetória política começou em 1982, quando foi eleita vereadora no Rio de Janeiro. Depois conquistou duas vezes o cargo de deputada federal pelo Estado, exercendo a função a partir de 1987.

No ano de 1994, com expressiva votação, Benedita chegou ao Senado Federal. Em 1998, ela foi eleita vice-governadora do Rio de Janeiro, até que em 2002, com a renúncia do então governador, a recordista assumiu o comando do Estado.

A convite do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a recordista ainda foi ministra da Assistência e Promoção Social do Governo Federal, entre 2003 e 2004. Em 2007, voltou a trabalhar no governo do Rio de Janeiro, como secretária de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos. Em 2010, pela terceira vez, foi eleita deputada federal.



Atuação política
Seus mandatos são marcados pela defesa das mulheres e negros. É autora do projeto que inscreveu Zumbi dos Palmares no panteão dos heróis nacionais, e fez de 20 de novembro o ‘Dia Nacional da Consciência Negra’.

Benedita também é responsável pela criação de delegacias especiais para apurar crimes raciais, pela obrigatoriedade do quesito ´cor´ em documentos, pela lei contra assédio e pelos direitos trabalhistas extensivos às empregadas domésticas.

Em seu primeiro mandato como deputada federal, durante a reforma da Constituição do Brasil, ela garantiu às mulheres presidiárias o direito de permanecerem com seus filhos durante a amamentação. Enquanto ministra, implantou políticas sociais de grande projeção em prol da população.

Cidadã baiana
Apesar de ser carioca, em 2012, pela semana da Consciência Negra, Benedita recebeu o título de cidadã baiana. A cerimônia especial aconteceu na Assembleia Legislativa da Bahia, na cidade de Salvador.

História de vida
A recordista nasceu em 11 de março de 1942, em uma favela do Rio de Janeiro. Política ativista do Movimento Negro e Feminista, começou a trabalhar desde menina. Ela vendeu limão e amendoim, atuou como operária em fábrica e entregava a roupa lavada e passada por sua mãe.

Também foi professora da escola comunitária da favela Chapéu Mangueira, adotando o método Paulo Freire de alfabetização de crianças e adultos. Benedita ainda organizou a Associação das Mulheres do Chapéu Mangueira, que fundou e presidiu.


Fontes: Portal Terra, G1 Bahia e site oficial de Benedita da Silva
Redação: Fátima Pires