Primeiro transplante de artéria no Brasil

Cirurgia inédita no país aconteceu em 25 de janeiro de 2011, no Hospital São Paulo da Unifesp

16/12/2012
4988 Acessos
Imprimir
Primeiro transplante de artéria no Brasil
Transplante inédito no país aconteceu no Hospital São Paulo da Unifesp - Imagem: DiarioWeb
O primeiro transplante de artéria realizado no país, que entra para o RankBrasil, aconteceu em 25 de janeiro de 2011, no Hospital São Paulo, da Universidade de São Paulo (Unifesp).

Ex-fumante, o aposentado Hamilton Bispo da Conceição tinha 56 anos de idade na época, com histórico de sessões de hemodiálise, transplante renal, hipertensão e aterosclerose que comprometia a circulação dos membros inferiores.

Antes do transplante, o paciente já não podia mais andar. Por causa da doença, que obstruiu quase completamente a principal artéria (femoral) da perna direita, passou os últimos meses tomando analgésicos potentes e tentando dormir sentado, com a perna levemente inclinada, para tentar aliviar a dor.

A situação do paciente era bastante crítica e não permitia aos médicos a adoção de medidas tradicionais, como a revascularização do membro prejudicado com veia do próprio doente ou colocação de uma prótese sintética. Ele não tinha mais veia safena – usada em cirurgias de revascularização do coração – porque a retirou na época da hemodiálise.

Desta forma, a solução encontrada para evitar a amputação da perna do joelho para baixo foi o transplante da artéria de um doador falecido. A cirurgia inédita no país foi coordenada pelo professor José Carlos Baptista Silva.

A equipe do hospital entrou em contato com a Central de Transplantes do Estado, que localizou o doador – um menino de 17 anos. O procedimento foi um sucesso e depois de dez dias, Hamilton saiu do hospital totalmente recuperado, sem dor e andando.

Importância da técnica
Somente no Brasil acontecem cerca de 100 mil amputações por ano decorrentes de problemas de aterosclerose, que compromete a circulação do sangue. Em muitos casos, esse mal pode ser prevenido com mudanças de hábito, como parar de fumar, controle do colesterol e triglicerídeos, da obesidade e do diabetes.


Fontes: G1 Brasil, Estadão e Hospital São Paulo
Redação: Fátima Pires