Primeira mulher do Brasil a ser caminhoneira de profissão

Conhecida como Tia Neiva, recordista tirou habilitação para dirigir caminhões no início dos anos 50 e trabalhou na construção de Brasília

26/12/2012
3155 Acessos
Imprimir
Primeira mulher do Brasil a ser caminhoneira de profissão
Recordista Neiva Zelaya transportou cargas por todo o país - Imagem: site Tia Neiva
Neiva Chaves Zelaya, conhecida religiosamente como Tia Neiva, entra para o RankBrasil pelo recorde de primeira mulher do país a ser caminhoneira de profissão.

A recordista nasceu em 30 de outubro de 1925, na cidade de Propriá – SE. Em 1949, aos 24 anos e quatro filhos, ficou viúva e teve que buscar seu sustento. Primeiramente montou um estabelecimento comercial, fazendo retratos e vendendo material fotográfico.

No início dos anos 50, Neiva comprou um caminhão, tirou habilitação profissional – a primeira concedida a uma mulher no Brasil – e começou a transportar cargas por todo o país. Em 1957, ela se fixou em Goiânia – GO e passou a dirigir ônibus, além de ser repórter de um jornal.

No mesmo ano, com a oportunidade da construção de Brasília, mudou-se com a família para o Núcleo Bandeirante, o ponto inicial das obras da nova cidade, trabalhando mais uma vez com caminhões. A recordista morreu em 15 de novembro de 1985, em Brasília, aos 60 anos.



Espiritualismo
Em 1958, aos 32 anos de idade, ela começou sua mediunidade e deixou o Núcleo Bandeirante para atuar em uma missão espiritualista. Em 08 de novembro de 1959, fundou a União Espiritualista Seta Branca (UESB), na Serra do Ouro, próximo a Alexânia – GO.

No mesmo local, Tia Neiva mantinha um hospital e um orfanato. Na área religiosa, também criou a Ordem Espiritualista Cristã, em Taguatinga – DF e o Vale do Amanhecer – doutrina espiritualista cristã que agrega elementos de várias religiões – em Planaltina – DF.


Fontes: Wikipédia e Almanaque Brasil
Redação: Fátima Pires