Primeiro do mundo a testar mão biônica controlada pela mente

Experimento inédito aconteceu em novembro de 2008, em Roma, na Itália. O curitibano Pierpaolo Petruzziello foi escolhido entre 30 voluntários

12/10/2012
5773 Acessos
Imprimir
Primeiro do mundo a testar mão biônica controlada pela mente
Foto: Arquivo pessoal - Pierpaolo Petruzziell
O curitibano Pierpaolo Petruzziello foi a primeira pessoa do mundo a testar a mão biônica controlada pela mente (através do pensamento). O experimento inédito, chamado LifeHand, aconteceu em novembro de 2008 e a prótese foi desenvolvida pela Universidade de Roma, na Itália.

Na época com 27 anos, o brasileiro, que tem cidadania italiana, ofereceu-se para participar da pesquisa e foi escolhido para o implante do membro artificial entre 30 voluntários, porque sua lesão era relativamente recente e estava limpa. Além disto, os nervos do jovem a serem utilizados estavam bem conservados.

A mão biônica é feita de aço, alumínio e fibra de carbono, e foi conectada cirurgicamente a dois nervos do braço amputado de Pierpaolo, que controlam os movimentos dos dedos, por meio de quatro minúsculos eletrodos – terminais elétricos.

Com uma necessária concentração, o curitibano conseguiu controlar a prótese, captando sensações, como se a LifeHand fosse uma verdadeira extensão do corpo humano. Na prática, ele enviou à mão robótica as mesmas mensagens que costumava mandar para a própria mão.

A partir do treinamento, que durou 24 dias, o brasileiro aprendeu a mexer os dedos de forma independente, fechar a mão, segurar objetos, entre outros movimentos. A resposta da mão biônica aos comandos do cérebro foi correta em 95% das vezes.

Pierpaolo perdeu o braço esquerdo em 2006, ao tentar desviar de um pedestre embriagado que entrou na frente de seu carro. O pai, Walter Petruzziello, na época presidente para o Paraná e Santa Catarina do Conselho dos Italianos no Exterior, ficou sabendo da pesquisa e inscreveu o filho.

A pesquisa
A pesquisa foi financiada pela União Europeia e custou mais de R$ 5 milhões. O estudo levou cinco anos para ser concluído e produziu diversos trabalhos científicos, alguns deles publicados em artigos de revistas importantes do mundo científico.


Fontes: Gazeta do Povo, Extra, Jornale e Wikipédia
Redação: Fátima Pires