Primeira máquina capaz de sequenciar o genoma humano em um dia

O equipamento Ion Próton foi comprado pela Fiocruz e também pelo Hospital A.C. Camargo

02/09/2012
3683 Acessos
Imprimir
Primeira máquina capaz de sequenciar o genoma humano em um dia
O Brasil adquiriu em 2012 o primeiro equipamento do mundo capaz de sequenciar o genoma humano completo em apenas um dia, um marco na biotecnologia da área.

As máquinas, conhecidas como Ion Próton, foram compradas pelo Hospital A.C. Camargo, de São Paulo, que é especializado no tratamento de câncer, e pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/ Paraná), vinculada ao Ministério da Saúde.

No valor aproximado de R$ 500 mil cada, os dois equipamentos adquiridos pelo Brasil fazem parte do primeiro lote comercial, distribuído pela empresa Life Technologies. Antes disto, apenas quatro laboratórios em todo o planeta possuíam a máquina, em esquema de testes.

O genoma humano foi sequenciado pela primeira vez há pouco mais de dez anos. O processo levou mais de dez anos para ser concluído e o preço ficou na casa dos bilhões de dólares. Já o Ion Proton é capaz de sequenciar um genoma inteiro por US$ 1 mil. No Brasil, a previsão de custo é de cerca de R$ 3 mil.



Diferencial
O grande diferencial é que o equipamento utiliza uma tecnologia baseada em semicondutores para transformar as informações químicas contidas no DNA diretamente em informações digitais (uma sequência de letras A, T, C e G no computador).

As máquinas tradicionais existentes no mercado precisam transformar as informações químicas em um sinal luminoso, que é captado por uma câmera digital e então decodificado em informação que pode ser traduzida como uma sequência genética, processo muito mais lento.

Importância
O sequenciamento de genes é uma ferramenta cada vez mais importante no diagnóstico e tratamento de diversas doenças, entre eles, o câncer. O equipamento permite identificar mutações específicas de cada paciente e, assim, customizar a terapia e o acompanhamento das características genéticas de cada tumor.


Fontes: Hospital A.C. Camargo, Revista Info Exame, Portal Terra e G1 Ciência e Saúde
Redação: Fátima Pires