Primeiro poeta brasileiro

Conhecido como ‘Boca do Inferno’, recorde é do baiano Gregório de Matos Guerra

19/02/2012
9054 Acessos
Imprimir
Primeiro poeta brasileiro
Gregório de Matos Guerra foi o Primeiro poeta do Brasil, que também é considerado o maior poeta barroco do país e o verdadeiro iniciador da literatura brasileira.

Sua obra poética apresenta duas vertentes: uma satírica que, não raro, apresenta aspectos eróticos e pornográficos; outra lírica, de fundo religioso e moral.

Em função das poesias satíricas, muitas vezes com violentos ataques pessoais, é conhecido como ‘Boca do Inferno’. Usando a arte, ele ridicularizava políticos e pessoas ligadas à igreja de forma impiedosa.

O poeta recordista nasceu em Salvador – BA, em 1636 e morreu em Recife – PE, em 1695. De família rica, foi para Portugal e se formou em Direito pela Universidade de Coimbra em 1661.

Ao retornar para o Brasil, foi procurador de Salvador junto à administração de Lisboa. Enquanto poeta, devido ao seu sarcasmo contra governantes e religiosos, sofreu perseguições.

Obras pós-morte
Gregório de Matos Guerra nunca publicou poesias em vida. Sua obra permaneceu inédita até o século XX. Entre 1923 e 1933, a Academia Brasileira de Letras publicou seis volumes do poeta, entre poesias sacra, lírica e satírica.

Barroco
O Barroco foi introduzido no Brasil no início do século XVII, pelos missionários católicos, especialmente jesuítas, como instrumento de doutrinação cristã.

Com as poesias de Gregório de Matos Guerra, o estilo foi consolidado no país. Na literatura barroca o texto é rebuscado e ambíguo, utilizando figuras de linguagem como metáfora, antítese, paradoxo e sinestesia.


Fontes: Só Literatura, Jornal da Poesia, Brasil Escola e Wikipédia
Redação: Fátima Pires